Marcelinho provoca ira na Ponte Preta

Os jogadores da Ponte Preta demonstraram após a primeira partida das semifinais da Copa do Brasil contra o Corinthians que não estão nada satisfeito com a conduta do meia Marcelinho Carioca. O seu comportamento, dentro e fora de campo, é questionado e o meia corintiano pode esperar por problemas no segundo jogo, quarta-feira, em Presidente Prudente."Ele é covarde, tanto que comecei entrar mais firme nele para não me machucar", explicou o jovem zagueiro Rodrigo, de apenas 20 anos, que tirou a perna para não ser atingido pela sola do corintiano, num lance do jogo em São José do Rio Preto. O experiente Ronaldão, que viu o jogo de camarote, acha que o estereótipo dele é muito falso. "Ele faz uma imagem de bonzinho, mas dentro de campo não é nada disso. Parece que agora estão acordando para este detalhe", comentou Ronaldão, sem nenhum tipo de constrangimento.O volante Fabinho, encarregado de marcá-lo no Teixeirão, disse que durante o jogo falou muito com seu adversário, mas sem nenhum ressentimento. "Eu o conheço desde 1998 e então ele sabe que jogo duro mas não sou desleal", explicou Fabinho que não participará da segunda partida por ter recebido o terceiro cartão amarelo. O meia Piá, também muito experiente, chegou a pedir aos companheiros para deixar de lado as provocações do adversário. "Ele fica pulando, faz fita e até chora. Não se deve dar atenção para o Marcelinho, caso contrário ele deita e rola".O técnico Marco Aurélio acha que o meia, muitas vezes, apita o jogo sozinho. "Ele leva os juízes na conversa", assegura o técnico, que, no entanto, faz elogios à qualidade técnica do jogador. "Se trata de um atleta que se ficar um instante livre para pensar pode decidir o jogo para o Corinthians". A missão de Marcelinho, agora, no segundo jogo das semifinais, com certeza, será mais difícil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.