Marcelinho quer "esquecer pesadelo"

Acabou o drama de Marcelinho Carioca na Arábia Saudita. Um mês depois de uma série de constrangimentos e de muita tensão, o atleta superou impasse com o clube Al-Nassr e desembarcará domingo no Brasil.Ele estava em dificuldades para obter o visto de saída da Arábia Saudita, o que só conseguiu graças a ação do Itamaraty e da Fifa. O jogador não recebia salários havia quatro meses e, por isso, rescindiu contrato no final de novembro. Em represália, os dirigentes árabes, que pertencem à família real saudita, criaram obstáculos para que ele viajasse. A luz do apartamento de Marcelinho Carioca chegou a ser cortada como forma de intimidação."Foi difícil ter de passar o Natal longe do meu país, da minha família e sem perspectiva de volta ao Brasil, mas tive o apoio de brasileiros que moram na Arábia. Na quinta-feira, recebi o melhor presente: a liberação do meu visto de saída. Felizmente tudo deu certo", disse Marcelinho.De acordo com seu advogado, Marcos Motta, que chegou a afirmar dias atrás que seu cliente era refém na Arábia Saudita, a Fifa se sentiu afrontada pela Federação Árabe e pelo Al-Nassr e convocou uma reunião extraordinária para tratar do caso. Ele vai entrar com uma ação na entidade, requerendo do clube uma indenização por todo sofrimento causado a Marcelinho."O processo começa agora. Vou cobrar o pagamento do que foi prometido no contrato e mais uma multa que deve ser exemplar e educativa", revelou o advogado.Em 23 de dezembro, o Departamento de Resoluções de Disputa da Fifa se reuniu em Zurique e, numa decisão colegiada, votou pela liberação do jogador. "Eles condenaram a atitude da federação e do Al-Nassr, considerando um desrespeito o que foi feito", afirmou Marcos Motta.Na manhã do dia 24, a Fifa enviou um comunicado à Federação Árabe exigindo que o atleta recebesse o visto para deixar o país em 48 horas. Caso contrário, futuras sanções ao clube e à entidade seriam tomadas. "No dia 25, ligaram para o Marcelinho pedindo que ele levasse os documentos para ser liberado", contou o advogado.O jogador deve chegar ao Aeroporto de Guarulhos às 8h10 de domingo e vai buscar alguns pertences em São Paulo antes de seguir para o Rio de Janeiro. Marcelinho deve conceder entrevista coletiva somente na segunda ou terça-feira."O importante agora é que estou livre e posso negociar com qualquer clube do Brasil ou do exterior. Mas minha preocupação no momento é rever minha família e esquecer este pesadelo", declarou Marcelinho, por meio de sua assessoria de imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.