Marcelinho se diz caluniado

Marcelinho Carioca não quis falar com a imprensa. Preferiu divulgar um comunicado a respeito da história divulgada hoje pela imprensa, onde ele é suspeito de passar notícias a jornalistas esportivos, uma delas envolvendo o jogador Ricardinho, onde ele é acusado de ser o ?leva e traz? do técnico Wanderley Luxemburgo.Em seu comunicado, Marcelinho afirma que a imprensa está divulgando ?inverdades? e ?calúnias?, que acabaram abalando duas famílias: a dele e o Corinthians. O jogador diz que três pessoas acabaram sendo envolvidas na mentira: ?Um companheiro de equipe, o Corinthians e eu?, diz o texto. Ele também acusa o diretor de eventos especiais da TV Bandeirantes de caluniá-lo pelo fato de o jogador ter vetado um projeto de programa na emissora, cujo personagem principal era inspirado em Marcelinho.?Sou o suspeito de sempre, o mais fácil de ser incriminado, o mordomo das histórias policiais?, diz o comunicado do jogador. Por último, Marcelinho acrescenta que não irá mais tratar desse assunto com ninguém, e que apenas falará sobre futebol.Veja a seguir a íntegra do comunicado de Marcelinho:Aos meus companheiros e à Torcida Corintiana.Estou me manifestando por escrito porque meus sentimentos, no momento, são de grande tristeza, indignação e revolta pelas inverdades que estão sendo veiculadas na imprensa, o que me obriga a não me calar diante de tamanho absurdo.Indignação e revolta pelas calúnias que nesta terça-feira abalaram a mim, minha família e minha segunda família: a família corintiana. Essa história toda já tem três vítimas: um companheiro de trabalho, o Corinthians e agora eu.O que levou essa pessoa (um diretor de uma emissora de TV) (no caso, Marcelinho se refere ao diretor de eventos especiais da TV Bandeirantes, Aquiles Franzotti) a fazer tamanhas calúnias em uma emissora de rádio? (Franzotti afirmou ontem à rádio Jovem Pan que recebeu um telefonema de Marcelinho, fazendo acusações contra Ricardinho). Não posso ter certeza, mas o fato de eu ter vetado um projeto de programa de TV a ser produzido por essa pessoa, em que um personagem inspirado em mim seria o personagem principal, é uma boa hipótese para justificar essa atitude.Infelizmente essa não é a primeira situação difícil criada em minha carreira.Se cometi, no passado, alguns deslizes, a quantidade de histórias fantasiosas envolvendo meu nome em muito superam aquelas que tinham algum fundo de verdade. Passei a ser o suspeito de sempre, o mais fácil de ser incriminado, o mordomo das histórias policiais.Acho que tudo isso já passou de todos os limites e esta é a última vez que venho a público para tratar de um assunto que não seja aquele do qual falarei, exclusivamente, de agora em diante: futebol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.