Marcelinho tumultua o Corinthians

A uma semana da estréia do Corinthians na Copa Mercosul, contra o Colo Colo, em Santiago do Chile, o técnico Wanderley Luxemburgo e a diretoria estão fazendo de tudo para evitar uma nova crise no campeão paulista. O clima no Corinthians ficou tenso desde a denúncia de que houve farra na concentração da equipe, às vésperas da decisão da Copa do Brasil, episódio que resultou na dispensa de nove jogadores. Hoje, Marcelinho, o maior craque do time, teve de deixar a concentração na cidade mineira de Extrema, distante 107 quilômetros da capital paulista, para se reunir em São Paulo com a diretoria. O jogador havia sido convocado pelo vice-presidente de Futebol, Antonio Roque Citadini, para explicar as declarações do dia anterior ao demonstrar "não ter cabeça para defender o Corinthians." Marcelinho não gostou de ter sido avisado somente na terça-feira que não iria participar da estréia do time na Mercosul, por causa da expulsão contra o Olimpia, em julho do ano passado, pela competição anterior. "Aqui ninguém faz nada, ninguém fala comigo", reagiu o atleta. Citadini evitou comentar o teor da reunião com Marcelinho. O dirigente até desligou o telefone celular. Mas Luxemburgo não deixou por menos. "O jogador tem problemas com a diretoria, e a diretoria tem problemas com ele. Que resolvam isso", disse Luxemburgo. O técnico não gostou também da reclamação do goleiro Gléguer, que perdeu o lugar Rubinho no jogo-treino contra o Bragantino, vencido pela equipe da capital por 3 a 2. "Se ele está insatisfeito que procure outro clube", afirmou o treinador. Paulo Nunes, Ricardinho e Edson fizeram os gols do Corinthians. A equipe: Rubinho; Scheidt, Batata e Marquinhos; Angelo, Otacílio, Rogério, Ricardinho e Kléber (Edson); Paulo Nunes e Gil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.