Paul Childs/Reuters
Paul Childs/Reuters

Marcelo Bielsa ressurge no futebol inglês ao som de Bohemian Rhapsody, do Queen

Técnico argentino retoma a carreira, aproxima Leeds do retorno à 1ª divisão e vira até paródia de música do grupo britânico

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2019 | 12h06

Um excêntrico treinador, o sucesso da cinebiografia Bohemian Rhapsody, da banda Queen, um elenco em mutirão para recolher lixo, um escândalo de espionagem e um tradicional time inglês em busca de voltar à elite. O que parece ser roteiro de um filme de comédia é na verdade o retorno por cima do técnico argentino Marcelo Bielsa. Conhecida como o "El Loco", Bielsa superou fracassos recentes para se envolver em diversos episódios inusitados e se aproximar de um feito histórico no comando do Leeds United.

O centenário clube de futebol está sem disputar a elite inglesa há 15 anos, mesmo período em que Bielsa não conquista títulos. O argentino trabalhou em duas Copas do Mundo (2002, pela Argentina, e 2010, com o Chile) , passou pelo futebol espanhol e francês e desembarcou em baixa na Inglaterra no meio do ano passado. O técnico havia perdido prestígio na Europa e precisaria se reerguer com um trabalho na segunda divisão. Não desanimou.

Com mais da metade da competição disputada, o Leeds é o líder na tabela e a torcida está empolgada com o sucesso do time e do seu comandante. As esquisitices do treinador conquistaram a torcida a ponto de o argentino ganhar uma paródia musical. O clássico Bohemian Rhapsody, do Queen, deixou de ser apenas um clássico da banda e o nome do filme indicado ao Oscar para se tornar também a trilha sonora do trabalho de Bielsa à frente do Leeds.

O comediante Micky Kerr é o responsável pelo hit da torcida. Radialista, ele alterou a música e acrescentou versos de ode a Bielsa. "Ele ganhou nossos corações pelas suas peculariadades e manias carismáticas. Bielsa é uma lenda e a música virou um tributo", afirmou. A paródia levou só dez minutos para ser produzida e se tornou muito popular entre a torcida.

Fora os resultados de campo, Bielsa também encantou os ingleses por mostrar como é ser "El Loco". Logo no primeiro dia de trabalho, ele ordenou que os jogadores recolhessem o lixo do CT. Foi uma forma de estimular a união e a humildade de todos. O técnico instalou uma cama e uma cozinha no local de treinos da equipe para economizar tempo, diariamente acompanha a pesagem dos atletas e tem uma obsessão com a grama, a ponto de fiscalizar o trabalho dos jardineiros. Leão e Telê também tinham essa mania.

O argentino é alvo de uma investigação pela organização do campeonato por ter enviado espiões aos treinos dos outros 23 rivais. Queria informações. Os adversários o acusam de jogar sujo, enquanto Bielsa ignorou e admitiu sondar os adversários desde o início da sua carreira. Uma vez descoberto, o técnico do Leeds decidiu escancarar de vez o jogo. Em entrevista coletiva, mostrou durante mais de uma hora as informações colhidas sobre os oponentes do torneio.

No passado recente, Bielsa chegou a visitar um convento na Espanha para pedir que as freiras locais rezassem pelo sucesso do seu time, o Athletic Bilbao. No ano passado, o técnico doou um hotel avaliado em R$ 10 milhões para ser usado como concentração do elenco do Newell's Old Boys, da Argentina, onde ele começou a carreira. Bielsa é assim e a torcida do Leeds está adorando presenciar novas versões dessas maluquices.

Como o argentino não fala inglês, a paródia Bielsa Rhapdsoy se transformou na melhor forma para transmitir apoio ao irreverente treinador. "A torcida está desesperada para voltar à elite do Campeonato Inglês. Nós temos fracassado por muito tempo, mas Bielsa fez com que a cidade inteira se empolgasse", resumiu Kerr.

ANÁLISE - Phil Hay: Bielsa mudou o futebol do Leeds

É difícil mencionar outros treinadores que sejam tão populares como Bielsa entre os torcedores. A sua nomeação como técnico no meio do ano ganhou aprovação unânime, o que não foi surpresa. Ele demonstrou ter atitude, fez o time ser ofensivo e garantiu bons resultados. Ele é excêntrico, mas é melhor descrevê-lo como alguém que tem obsessão por futebol. O Leeds tem testemunhado uma grande mudança de cultura futebolística.

Bielsa exigiu que todos os jogadores perdessem gordura e adquirissem massa muscular para se adequarem ao estilo de jogo de posse de bola. Muitos comentam que nunca estiveram com forma física tão boa. O treinador também conseguiu promover garotos da base. Mais do que tudo, ele é um profissional que não abre mão da sua filosofia. O Leeds joga sempre da mesma maneira: quer vencer e marcar gols. O time, que no ano passado foi 13º, agora é líder. É uma grande reviravolta.

Para ele, a vinda ao Leeds é como uma aventura romântica. Vale pelo desafio de ressuscitar um clube que nos últimos anos amargou até a terceira divisão. A torcida está otimista e sempre se faz a seguinte pergunta: se Bielsa não vai nos levar à elite, quem vai conseguir?

*Phil Hay é editor do jornal Yorkshire Evening Post

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.