Christophe ARCHAMBAULT / AFP
Christophe ARCHAMBAULT / AFP

Marcelo diz adeus ao Real Madrid com título da Liga dos Campeões: 'não podia terminar melhor'

Lateral brasileiro chega ao 25º título com a camisa merengue; do lado derrotado, Jürgen Klopp lamenta desperdício de chances de gols e elogia Carlo Ancelotti

Fernando Valeyka De Barros, Especial para o Estadão, de Paris

28 de maio de 2022 | 23h12

Neste sábado, o Real Madrid chegou ao 14º título da Liga dos Campeões em sua história ao derrotar o Liverpool por 1 a 0 na final realizada no Estádio Stade de France, em Paris, na França. O gol solitário de Vinícius Júnior na segunda etapa garantiu a taça aos merengues. Porém, não apenas este brasileiro ganhou destaque com a conquista. Em clima de despedida, Marcelo teve motivos de sobra para celebrar o título à beira do gramado e depois levantado a taça.

Mesmo sem ter atuado na decisão contra o Liverpool, o lateral-esquerdo entrou para a história da competição como o primeiro brasileiro a levantar a 'orelhuda', como é carinhosamente apelidada a taça da Liga dos Campeões da Europa. Coube a ele a honra da conquista do Real Madrid. Marcelo deve encerrar sua carreira no time espanhol, a ser anunciada nos próximos dias. O clube não acena com renovação de contrato. 

"Eu estou muito feliz com este título. Saio do Real Madrid com a cabeça em pé. Fiz tudo que podia fazer por este clube e o clube também fez tudo por mim, sempre me ajudou, sempre me apoiou. Estou fechando um ciclo. E não podia terminar melhor. Ganhando uma Champions, sendo o maior vencedor da história do Real Madrid, estou muito feliz", afirmou o capitão do Real Madrid, que chegou ao 25º título conquistado com a equipe.

Após o embate, Vinícius Júnior conversou com a TNT Sports e afirmou que ainda não se deu conta do tamanho e da importância do gol marcado na partida em Paris. Em sua quarta temporada pela equipe madrilenha, o brasileiro reconhece que está em seu melhor momento no clube, mas que isso é apenas combustível para continuar brilhando com a camisa do Real Madrid.

"Tivemos uma chance e marcamos o gol. Não tenho ainda noção do que estou vivendo, do gol que fiz no maior clube do mundo, na maior competição do mundo, e sendo tão jovem. Não quero parar por aqui, quero seguir trabalhando muito, como eu trabalhei até aqui, para ganhar tantas Champions League quanto esses jogadores que estão aqui, que já ganharam aqui. Nasceram para vencer e, com a felicidade da minha família, com o orgulho de todos, eu pude estar aqui para vencer também", afirmou o brasileiro.

Do lado derrotado

Com o gosto amargo da derrota na final continental - a segunda para o Real Madrid -, Jürgen Klopp, técnico do Liverpool, foi à zona mista comentar o resultado que afastou sua equipe da sétima taça da competição. O alemão aproveitou a oportunidade para saudar o colega Carlo Ancelotti, técnico adversário, que se isolou como o maior vencedor do torneio, com quatro taças conquistadas - seis se somadas às duas vencidas como jogador.

"Tivemos nove chutes a gol e eles apenas um, eu acho. Mas eles conseguiram marcar, e nós não. E, obviamente, isso definiu o vencedor. Felicito também o Real Madrid pela vitória e em particular o seu goleiro (Thibaut Courtois), que foi o homem do jogo, assim como o seu treinador (Carlo Ancelotti), que é agora o técnico mais bem sucedido na competição", afirmou Klopp.

Apesar de ter amargado outro vice-campeonato, Klopp elogiou o trabalho de seus jogadores e citou os detalhes que distanciaram o Liverpool de mais títulos na temporada. "Criamos muitas chances, mas o que conta no futebol é o resultado e você pode obtê-lo de várias maneiras. No fim da partida, parabenizei meus jogadores. Disse que estava orgulhoso deles. Não vencemos esta noite, mas ainda assim fizemos uma temporada muito boa: perdemos o Campeonato por um ponto (para Manchester City) e perdemos esta final por um gol", disse.

Na esteira do comandante, o meio-campista francês Ibrahima Konaté elogiou a partida ofensiva do Liverpool, que parou nas mãos de Courtois, melhor jogador da partida, e lamentou a derrotada sofrida. "A atuação do Courtois fez a diferença. Nossa equipe foi melhor, criou mais chances de gol, mas eles acertaram uma das finalizações que tiveram. E no futebol vence quem faz mais gols."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.