Ricardo Storti/Divulgação
Ricardo Storti/Divulgação

Marcelo Fernandes decide poupar 'estrelas' do Santos em Marília

Técnico já pensa no duelo com o Londrina, pela Copa do Brasil

SANCHES FILHO, O Estado de S. Paulo

14 Março 2015 | 07h17

O Santos deve escalar um time misto e dar um descanso aos seus principais jogadores na partida deste sábado, às 18h30, contra o Marília, no Estádio Bento de Abreu Sampaio. Os que ganharão essa "folga" devem ser os atacantes Robinho e Ricardo Oliveira e mais cinco atletas.

Durante o treino desta sexta-feira, o técnico Marcelo Fernandes mandou a campo uma equipe com apenas quatro titulares: goleiro Vanderlei, o lateral-direito Cicinho, o zagueiro David Braz e o volante Valencia, mas disse que só vai confirmar as mudanças pouco antes do jogo.

"Foram feitos exames de sangue dos jogadores e os resultados mostraram que há possibilidades de lesões, em razão do curto prazo de recuperação entre os jogos", disse Marcelo, sem dar pistas dos titulares que serão preservados. Viajaram para Marília o time que vinha jogando e mais os reservas imediatos, num total de 20 atletas, porque após a partida deste sábado à noite, a delegação seguirá direto para Londrina, no Paraná, para a estreia na Copa do Brasil, terça-feira às 19h30, contra o Londrina, no Estádio do Café.

Nesta sexta, Marcelo procurou trabalhar mais o posicionamento dos jogadores em lances de bola parada, tanto na defesa como no ataque. Ainda sob o impacto de sua efetivação como treinador, Marcelo contou que recebeu cumprimentos de Muricy Ramalho e Tata, do São Paulo, do pai de Neymar, Neymar da Silva Santos, Oswaldo de Oliveira, treinador do Palmeiras, e Claudinei, que está no Atlético-PR, entre outros, além de ter recebido a aprovação da maior autoridade santista, o Rei Pelé.

Marcelo também revelou que a sua primeira reação após ser confirmado no cargo foi ligar para a mãe, dona Amélia. "Falei: mãe, sou treinador do Santos. Ela começou a chorar e acabou o papo", disse.

Escolhido "pelo clamor popular", como definiu o presidente Modesto Roma Júnior, e pelo respeito que os jogadores tem por ele, Marcelo promete não mudar sua maneira de trabalhar e não adotar o estilo de nenhum dos treinadores consagrados com os quais trabalhou como auxiliar em quase cinco anos de clube e ao longo da carreira de jogador, mas diz que terá um pouco de cada um deles.

"Quero ter 10% do caráter e da ética de Muricy, mas vejo muito essa coisa de estilo de treinador como comando do grupo. É fácil dar 11 coletes para os titulares e deixar sete fora, com bico. Muricy tem esse dom e todos adoram ele. Também tiro o que aprendi com Oswaldo e Claudinei. Quando aos esquemas táticos, gosto de armar o time de acordo com o adversário que vou enfrentar. Sempre com simplicidade e humildade".

QUEDA ANUNCIADA

O jogo deste sábado à noite será o encontro dos extremos: o Santos, o melhor da classificação geral, contra o Marília, o pior time do Campeonato Paulista, com apenas dois pontos ganhos em 27 disputados, quatro gols a favor e 18 sofridos. O técnico Bruno Quadros confirmou a volta do ex-corintiano Boquita ao time.

Mais conteúdo sobre:
futebol Paulistão Santos FC Marília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.