AP Photo/ Fernando Llano
AP Photo/ Fernando Llano

Marcelo lamenta as chances perdidas pelo Cruzeiro após empate

Técnico não fica satisfeito com igualdade por 1 a 1 com o Mamoré

Estadão Conteúdo

26 Março 2015 | 10h26

O técnico Marcelo Oliveira admitiu não ter ficado satisfeito com a atuação do Cruzeiro no empate por 1 a 1 com o Mamoré, na noite de quarta-feira, no Mineirão, em duelo adiado da oitava rodada do Campeonato Mineiro. Ele lamentou as várias chances perdidas pelo time quando o placar estava empatado em 0 a 0 e o vacilo do sistema defensivo no gol marcado pelo time de Patos de Minas.

"Achei que nós tivemos um volume muito bom no primeiro tempo, especialmente no início do jogo. Pecamos na hora de finalizar, de fazer o gol, embora o Joel tenha dado uma cabeceada forte e o goleiro tenha feito uma excelente defesa. Nesse tipo de jogo é preciso que saia o primeiro gol para mudar a proposta do adversário. Eles ficaram atrás o tempo todo. Infelizmente tivemos uma desatenção na bola parada e levamos o gol", disse Marcelo. 

O gol de empate do Cruzeiro, marcado por Leandro Damião, surgiu em uma jogada do meia Marcos Vinicius, em que sua finalização se tornou um passe para o centroavante. E Marcelo fez questão de elogiar o jovem estreante. 

"O Marcos Vinicius tem treinado muito bem, principalmente como meia, com uma boa finalização de fora da área. Hoje (quarta-feira) o coloquei como segundo volante para que a gente tivesse mais poder ofensivo e ele foi bem, tendo feito boas jogadas, além daquela que resultou no gol", avaliou.

Ao menos, lembrou Marcelo, o resultado deixou o Cruzeiro na liderança do Campeonato Mineiro, com os mesmos 21 pontos da Caldense, mas em vantagem pelos critérios de desempate. "No geral, valeu pela persistência do nosso time e também pelo resultado, que nos deu a liderança do campeonato", afirmou. 

Ainda invicto no Campeonato Mineiro, o Cruzeiro volta a entrar em campo no próximo domingo, quando vai enfrentar a URT, em Patos de Minas, pela décima rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.