Marcelo Oliveira/ EFE
Marcelo Oliveira/ EFE

Marcelo Lomba lamenta confusão no final do Gre-Nal: 'Peço desculpa ao público'

Clássico gaúcho pela Copa Libertadores ficou marcado por uma briga generalizada

Redação, Estadao Conteudo

13 de março de 2020 | 00h28

Um dos destaques do Gre-Nal, o goleiro Marcelo Lomba, do Inter, pediu desculpas às torcidas pela guerra que se transformou o primeiro clássico gaúcho disputado na Copa Libertadores, nesta quinta-feira, na Arena do Grêmiom, e que terminou sem gols.

"Peço desculpas, porque não é legal. Infelizmente, passou do ponto o clima de rivalidade e tivemos um espetáculo feio dentro de campo. Só resta mesmo pedir desculpas ao público por este triste episódio", disse o goleiro, que fez questão de isentar o companheiro Moisés, que estava no lance inicial junto com Pepê, do Grêmio. "O Moisés só estava no lance, mas a confusão foi geral. Não podemos apontar este ou aquele por iniciar aquela situação."

Por fim, o goleiro também aprovou a movimentação em campo dos times. "Foi um bom jogo, as equipes criaram chances, nós chutamos duas bolas na trave e eles uma no travessão. Era para a gente estar agora falando apenas do jogo."

Lomba também foi escolhido para a coletiva após o jogo junto com o técnico Eduardo Coudet, que também lamentou os incidentes em campo e prometeu conversar com todos os jogadores. "Mas só amanhã (quinta-feira), quando eles vão estar com a cabeça fria. Num clássico é normal a tensão e o nervosismo, mas realmente eles passaram do ponto."

O presidente Marcelo Medeiros também falou com a imprensa, lamentando a confusão. "Quando eu entrei para o futebol não foi para ver isso. É complicado falar de incidentes e tudo ficou muito tumultuado. Confesso que não vi direito o que aconteceu", disse o dirigente colorado.

Ao mesmo tempo, ele tratou logo de defender Moisés, seu jogador que teria sido o pivô da confusão. E também Edenílson, expulso depois. "Não sei porque ele (Edenílson) foi expulso, porque ele não fez nada. O bandeirinha errou várias vezes contra a gente. Mas, passou. Somos líderes da chave e vamos brigar pela classificação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.