Marcelo Mattos pede chegada de reforços no Botafogo

Time carioca caiu diante do Avaí nas oitavas da Copa do Brasil e só voltará a jogar em 22 de maio

AE, Agência Estado

21 de abril de 2011 | 10h42

Após empatar com o Avaí por 1 a 1, na noite de quarta-feira, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, o Botafogo foi eliminado da Copa do Brasil. E, como também já estava fora do Campeonato Carioca, só voltará jogar no dia 22 de maio, quando enfrenta o Palmeiras na estreia no Brasileirão. Por isso, o técnico Caio Júnior terá muito tempo para tentar arrumar o time.

Assim, enquanto ainda lamenta a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil, o Botafogo começa a ajuntar os cacos. E, para o volante Marcelo Mattos, uma das medidas necessárias é a contratação de reforços. "Agora, a gente tem que trabalhar e esperar que a diretoria traga jogadores para reforçar o elenco, porque o Campeonato Brasileiro é difícil, disse o jogador.

Ao comentar sobre o jogo diante do Avaí, Marcelo Mattos reclamou da arbitragem, principalmente o pênalti marcado contra o Botafogo, já aos 41 minutos do segundo tempo, que determinou o empate - se vencesse por 1 a 0, o time carioca estaria classificado. "Não foi pênalti. O jogador caiu na área e só. A gente trabalha a semana inteira, sofre uma pressão intensa e o árbitro mina a gente dentro de campo. Não pode acontecer. Ficamos fora sem merecer", reclamou o volante.

Caio Júnior também protestou contra a arbitragem. "Não vou entrar no mérito do pênalti. O pênalti, em si, já é muito discutível. Mas, no lance anterior, ele não deu um escanteio claro para a gente. O meu time estava todo avançando. Ele quis dar o tiro de meta para eles retomarem o jogo", criticou o técnico do Botafogo.

Veja também:

video ESPN - Jogo entre Avaí e Botafogo termina com pancadaria

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogoMarcelo Mattos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.