Wagner Meier/Divulgação
Wagner Meier/Divulgação

Marcelo Mattos revela desejo de permanecer no Botafogo em 2015

Um dos jogadores mais identificados com a torcida, volante não quer abandonar a barca mesmo com a equipe rebaixada para a Série B

Estadão Conteúdo

04 de dezembro de 2014 | 20h30

O rebaixamento do Botafogo para a Série B do Campeonato Brasileiro não mudou o desejo de Marcelo Mattos de permanecer no clube em 2015. Um dos jogadores mais identificados com a torcida, ele garantiu nesta quinta-feira que espera ajudar a reconduzir a equipe à elite e só lamentou não ter podido ajudar mais na temporada, já que ficou de fora por cerca de sete meses por conta de uma lesão no quadril.

"É uma felicidade enorme ter voltado a jogar e estar treinando sem nenhuma limitação. Fiz uma cirurgia simples, mas que foi complicada na cicatrização. Vai ficar uma marca de tristeza no meu coração por esse ano. Só pude estar em campo contra Fluminense, Figueirense e Chapecoense, tentei ajudar a equipe a permanecer na Série A, mas não foi possível. Quero estar aqui no ano que vem e vou fazer de tudo para trazer esse time de volta para o seu lugar. O Botafogo não é time para a segunda divisão", declarou.

Marcelo Mattos está no Botafogo desde 2010 e até pela identificação com o clube, garante que não terá problema em disputar sua primeira Série B da carreira. "É uma experiência nova e para mim será um desafio. Eu gosto disso, bati quatro vezes no campo esse ano e tive que refazer minha cirurgia. Se fôssemos campeões brasileiros também teríamos que voltar a treinar no começo do ano com o pensamento de se reinventar, e na situação que estamos não é diferente. Temos que continuar."

O jogador, no entanto, sabe que a permanência não depende apenas dele. Com um dos salários mais altos do elenco, ele poderia ser um dos nomes negociáveis para diminuir a folha salarial do clube. Vale lembrar que o Botafogo atravessa grave crise financeira em 2014 e a situação no ano que vem pode ser ainda pior, uma vez que o dinheiro obtido na Série B é bem menor.

"Ainda não foi nada conversado. A diretoria está vendo outras prioridades e não sei quando vai começar a ver essa situação. Tenho contrato até o meio do ano de 2016 e o meu desejo é encarar o desafio de levar o Botafogo a primeira divisão, mas não depende só de mim", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.