Marcelo Mattos volta, Marinho deve sair

Três atuações fracas consecutivas, dois gols contra. Em má fase, o zagueiro Marinho tem tudo para perder a condição de titular no jogo de quarta-feira, contra o Coritiba, no Pacaembu. Com a volta de Marcelo Mattos, que cumpriu suspensão contra o Santos, o técnico Márcio Bittencourt cogita a possibilidade de retomar o esquema 4-4-2, após a goleada sofrida para o Santos com o 3-5-2. Assim, Betão formaria a zaga com Sebá, e Mattos voltaria a fazer dupla de volantes com Mascherano.A mudança no esquema, feita de surpresa - o time não chegou a treinar no 3-5-2 em nenhum momento -, foi apontada por muitos como o principal motivo da derrota na Vila Belmiro. Os próprios jogadores admitiram isso. "Para (o esquema) dar certo, é preciso prática", disse o zagueiro Betão, apontado por Márcio Bittencourt como o melhor corintiano em campo no domingo. "Fiquei na marcação do Robinho e ele teve uma atuação um tanto apagada, não foi?", comentou o beque, orgulhoso.Orgulho que o goleiro Fábio Costa não vem tendo ultimamente. O jogador já externou sua insatisfação com seu sistema defensivo várias vezes. Após a goleada na Vila, chegou a soltar um palavrão ao ser questionado por um repórter sobre o fraco desempenho da defesa. "O Fábio Costa, como todos sabem, é bastante temperamental. Já estou acostumado", disse Betão.Fábio Costa fez questão de deixar claro nesta segunda que suas críticas eram para o sistema defensivo inteiro, e não somente para Marinho, com quem teve um desentendimento no jogo contra o Vasco, domingo retrasado. "Até quando vocês (jornalistas) vão levar esse negócio com o Marinho? Até o fim do ano? Houve uma discussão entre nós, não negamos. Mas é um problema que já foi sanado. Não podemos creditar o gol contra dele contra o Cruzeiro ou nossa derrota para o Santos porque a gente discutiu contra o Vasco. Isso é passado. Nós nos falamos normalmente."Com a terceira pior defesa do Brasileirão (33 gols em 16 jogos, melhor apenas que Paysandu e Vasco), o time de Márcio Bittencourt detém a vexatória marca de ser o Corinthians mais vazado na história do torneio nacional, com média de 2,06 gols por partida. Nunca o Timão tomou tanto gol.Muitos atribuem esse fato à saída de Anderson, negociado com o Benfica no final de junho. De lá para cá, o Corinthians jogou sete vezes e tomou 16 gols, média de 2,28 por partida. Com Anderson no time, a média era de 1,88 (17 gols em nove jogos). Coincidência ou não, o substituto de Anderson é Marinho, o bode expiatório de críticos e corneteiros. "O Marinho é um jogador excelente, mas infelizmente está acontecendo isso com ele", disse Rosinei, referindo-se à má fase do companheiro. "Mas sabemos do potencial dele. Ele tem tudo para dar a volta por cima", emendou o meio-campista. Líder do grupo, Betão completou: "Não estamos com os jogadores só na fase boa. Nós nos ajudamos sempre."Betão admite que Anderson faz falta. A saída do ex-capitão, que vinha figurando até nas convocações de Carlos Alberto Parreira, seria o principal motivo da queda de rendimento da zaga. "Não é coincidência, é verdade", disse Betão, que explicou: "Jogamos juntos por um ano e meio, e isso criou um vínculo entre nós. É muito mais fácil você jogar com quem conhece bem."Para Betão, o entrosamento com Sebá e/ou Marinho pode vir com o tempo. "Mas no futebol tudo é para já. Por isso, precisamos trabalhar bastante". Fábio Costa também lamenta a saída de Anderson. "A qualidade dele é inquestionável". O goleiro, porém, prefere creditar a derrota para o Santos a outro fator. "Nosso time estava muito desgastado física e psicologicamente. Vínhamos de várias vitórias difíceis, sofridas, que provocaram um desgaste muito grande de alguns de nossos principais jogadores, como o Mascherano e o Rosinei. Essas vitórias de viradas são bonitas para a imprensa, legais para a torcida, mas, para a gente, é uma fonte de desgaste muito grande."Fábio acrescentou: "É por causa desse desgaste que o treino desta terça-feira foi antecipado para a parte da manhã. Assim, teremos a tarde inteira livre para descansar e nos alimentar melhor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.