Gualter Naves/ Divulgação
Gualter Naves/ Divulgação

Marcelo Oliveira minimiza altitude em estreia do Cruzeiro

'Estamos trabalhando para que o time esteja em condições de fazer um grande jogo, tanto técnica, quanto fisicamente', diz o treinador

Estadão Conteúdo

24 de fevereiro de 2015 | 17h54

Bicampeão brasileiro, o Cruzeiro é, pelo menos no papel, um time expressivamente mais forte que o Universitário de Sucre, seu rival na estreia da Copa Libertadores. O adversário, porém, conta com o "fator altitude", uma vez que o jogo desta quarta-feira vai acontecer a 2.800 metro do nível do mar.

O técnico Marcelo Oliveira, entretanto, minimiza a preocupação com a pressão atmosférica. Como efeito de comparação, La Paz, a capital da Bolívia, é localizada a mais de 3.600 metros de altitude, causando impacto maior sobre os atletas do que o sentido em Sucre.

"A altitude tem um efeito efetivo. Ela realmente modifica para os times que não estão acostumados, mas quando você fala em 2.800 metros é mais ameno, tranquilo. Não podemos ampliar esse quadro. Estamos trabalhando para que o time esteja bem postado e organizado, em condições de fazer um grande jogo, tanto na parte técnica quanto no aspecto físico", garante.

Sobre o jogo, disse que espera uma boa atuação: "Já há uma base da equipe sim e o Campeonato Mineiro nos dá a condição de formar um time básico para a Libertadores. Esperamos que, nesse primeiro jogo, a gente possa competir bem e produzir muito. A gente precisa disso na altitude, ter uma boa posse de bola, não rifar muito, mas sempre com o propósito de ganhar e iniciar bem o campeonato".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.