Gualter Naves/ Divulgação
Gualter Naves/ Divulgação

Marcelo Oliveira nega contato, mas admite dirigir o Palmeiras

Ex-técnico do Cruzeiro é o favorito para o lugar de Oswaldo

Daniel Batista, Estado de S.Paulo

09 de junho de 2015 | 14h30

O técnico Marcelo Oliveira é o principal nome para substituir Oswaldo de Oliveira no comando do Palmeiras. O treinador, que deixou o Cruzeiro recentemente, está sem clube e assegura que ainda não teve contato com dirigentes do time alviverde. Mas ele admite que pode aceitar o desafio de comandar o Alviverde. 

"Ainda ninguém falou comigo. Estão me perguntando sobre isso, direto. Estou tranquilo, descansando, e por enquanto tudo é murmúrio. O Palmeiras tem um técnico e temos que respeitar", disse o treinador, em entrevista ao Estado. Ele disse que a ideia inicial era descansar após dois anos no comando do Cruzeiro, mas pode rever seu pensamento em caso de uma boa proposta.

"No primeiro momento, eu queria descansar, mas futebol é dinâmico. De repente, uma proposta interessante, que me aguce o desafio, posso mudar. O ano está começando e tem um longo tempo para evoluir o trabalho. É isso que penso neste momento", disse o treinador, que também foi sondado por um clube do Catar.

Em relação a possibilidade de sua amizade com o diretor de futebol, Alexandre Mattos, fazer a diferença na negociação, ele desconversou. "Não somos amigos, de se falar sempre. Tivemos uma relação tranquila, profissional e camarada no Cruzeiro, onde tivemos muito sucesso. Depois nos falamos poucas vezes. Ele me ligou quando morreu minha mãe e só, mas ficou uma relação tranquila entre a gente", assegurou o atual bicampeão brasileiro. A mãe do treinador faleceu em no dia 26 de março. 

Embora diga que ainda não conversou com dirigentes do Palmeiras, Marcelo Oliveira já recebeu uma sondagem recentemente do clube e o salário é a única coisa que pode atrapalhar a negociação. Ele recebia cerca de R$ 500 mil no Cruzeiro e o Alviverde está disposto a pagar cerca de R$300 mil pelo novo treinador. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.