Marcelo Ramos também pode não estrear 4ª

Uma cena tem chamado bastante a atenção do grupo corintiano durante as últimas duas noite de pré-temporada em um hotel de Extrema, no Sul de Minas. O atacante Marcelo Ramos não sai do telefone. Seriam tentativas de falar com a família ou amigos? "Nada disso, estou tentando falar mesmo é com meu empresário e com um conhecido lá no Japão", revelou. Um problema de última hora tem incomodado o atleta, a comissão técnica e a diretoria do Corinthians. Os papéis de liberação do jogador não foram enviados do Japão para o Brasil. Com isso, sua inscrição na Federação Paulista de Futebol pôde ser feita sem problemas, mas para entrar no campo é preciso o atestado liberatório. Caso a documentação não chegue até segunda-feira, não poderá enfrentar o Atlético, em Sorocaba, na estréia do time no Campeonato Paulista, quarta-feira. Marcelo, que jogava no Sanfrecce-Hiroshima, só ficou sabendo da situação no treino de quinta-feira à tarde. "O Juninho veio falar comigo e explicou tudo o que está acontecendo. Fiquei surpreso, pois tinha certeza de que tudo já tinha sido providenciado", afirmou. A partir daí o atacante não parou de tentar contato com os japoneses. "E tenho que fazer isso durante a noite, porque é de manhã lá. Mas até agora não consegui saber deles o motivo disso ainda estar travado." A última vez que o jogador conseguiu se comunicar foi na quarta-feira, só que ainda não sabia do problema burocrático. "Na verdade falei com um conhecido meu que trabalha lá no clube para saber como estava andando outra questão, a de um dinheiro que ainda tenho para receber deles. Mas agora tento ligar no celular dele, mas só cai na caixa-postal", lamentou. Apesar do imprevisto e das conseqüências que pode ter, Marcelo faz questão de manter a tranqüilidade. Para ele, a situação do volante Rincón, que precisou voltar à Colômbia para tirar visto de trabalho, e do zagueiro Valdson, que também aguarda liberação por parte da Federação Mexicana, é mais preocupante. "No meu caso o problemas maior acho que é mesmo a conta telefônica. Ainda mais aqui do hotel, que é caro para burro", brinca. Aprovado - Problemas à parte, o atleta se mostrou animado com duas constatações que fez durante o último treino. A primeira foi a definição do técnico Juninho Fonseca de escalar três atacantes. A segunda, de incluí-lo no time titular. "Pelo que a gente viu aqui devem jogar mesmo o Régis, o Gil e eu", concluiu. "E isso é gratificante, pois eu cheguei para definir mesmo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.