Marcinho comemora volta por cima

Para quem sonhou jogar em uma equipe de expressão, o primeiro dia do volante Marcinho no Palmeiras não poderia ter sido mais traumatizante. Em 19 de abril, ele chegava do Figueirense, mas ficou preso na Academia de Futebol porque torcedores se acorrentaram ao portão, em protesto contra as contratações ? incluindo a sua. Hoje, não só é titular como tem sido apontado como um dos responsáveis pelo crescimento do líder da Série B do Campeonato Brasileiro. ?O Palmeiras deve sua boa fase ao Daniel, ao Alceu e ao Marcinho?, reconheceu o goleiro Marcos várias vezes. Marcinho admite que ficou assustado com a aquela recepção tumultuada. ?Fui conversar com torcedores, que explicaram não ter nada contra mim?, recorda. ?Diziam que queriam jogadores mais experientes.? Na ocasião, considerou injusto o julgamento. ?Falei para eles que poderiam me vaiar, se me vissem jogar e achassem que eu era ruim. Mas não é certo falar que alguém não serve antes de ter uma chance.? O volante garante que o episódio não o desanimou. ?Ao contrário: fiquei com raiva e com vontade de mostrar que estavam errados.? A reação não é surpreendente, ao se considerar sua história. ?Quando era adolescente, jogava de graça, em Novo Horizonte, e a vizinhança dizia para os meus pais que era hora de eu tomar vergonha e arrumar emprego?, lembra Marcinho. ?Um dia, chorando, disse que ia desistir, mas eles me apoiaram e continuei.? A família era humilde. ?Meu pai era pedreiro e, nas minhas folgas, eu o ajudava fazendo a massa de cimento.? Não foi período fácil. ?Na época, meu pai, que morreu logo depois de eu chegar ao Palmeiras, tinha problemas com bebida e minha mãe sofria.? Hoje, com família formada e filho, Marcinho leva vida mais tranqüila, mas ainda não está satisfeito. Primeiro por causa da suspensão de quatro jogos que recebeu por ofensas ao árbitro. Ele ainda está cumprindo o que foi determinado pelo tribunal. ?Aprendi com tudo isso.? Mas, como não está suspenso na Copa Sul-Americana, enfrenta o Cruzeiro e espera ter a satisfação de uma vitória. ?Será importante para provarmos que podemos jogar contra qualquer equipe da Primeira Divisão.? O principal, segundo Marcinho, é levar o Palmeiras de volta à elite nacional. Só assim, imagina, sua missão estará cumprida. Desfalques ? O médico Vinícius Martins confirmou que o volante Magrão e o meia Pedrinho, contundidos na coxa, não enfrentam o Cruzeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.