Márcio ainda não decidiu o que fazer

Márcio Bittencourt não aceitou ?por enquanto? o convite para ser novamente auxiliar técnico do Corinthians. De maneira inteligente, ele pediu ?dez dias? para pensar e esperar o convite de algum clube. Se não for procurado, volta como auxilar só que recebendo menos que os R$ 27 mil que ganhava como técnico. ?Nunca vi auxiliar virar técnico e depois querer retornar a auxiliar?, disse Lopes. Foi emocionante a sua despedida como técnico dos jogadores. Depois de fumar para se acalmar ? ele fumava após todas as partidas longe da imprensa ? abraçou seus atletas. Apesar de saber ter perdido o cargo no sábado, às 14 horas, não agüentou. Vários jogadores disseram ter visto lágrimas furtivas. Depois, recomposto, conversou bastante com Kia e o vice-presidente Andres Sanchez. Agradeceu pela ?oportunidade?. Os dois dirigentes ficaram bem impressionados com a atitude e conversaram sobre o convite para que voltasse a ser auxiliar.O rendimento de Márcio foi muito melhor do que Lopes no Brasileiro. Nas 25 partidas à frente do Corinthians, conseguiu 15 vitórias, quatro empates e seis derrotas, aproveitamento de 65,3%. O de Lopes: 23 partidas, nove vitórias, seis empates e oito derrotas, acumulou 47,3% de aproveitamento.Os jogadores queriam que ele permanecesse, mas não estranharam a demissão de Márcio. ?A pressão estava muito grande. Não tinha como ele se segurar?, disse Carlos Alberto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.