Márcio lamenta erros; Lazaroni se salva

O desfigurado e jovem time do Corinthians bem que tentou provar ao técnico Márcio Bittencourt que podia resolver a situação na ausência dos titulares, nesta quarta-feira, contra o fatídico Juventude, na gelada Caxias do Sul - nos últimos confrontos na cidade haviam sido três derrotas e um empate, fora a humilhante goleada por 6 a 1, em 2003. Mas não teve jeito. A derrota por 1 a 0, que fez o líder perder a liderança isolada do campeonato, provou que o time se ressente sobremaneira de Tevez, Roger e cia. Os gols em profusão perdidos por Bobô e Jô também deram a certeza que a MSI fez bem em investir no jovem Nilmar, para tentar formar uma dupla de ataque de respeito com Tevez. A estréia com derrota do Corinthians na estréia do returno deixou o elenco com a cabeça quente. Assim que o juiz apitou o final da partida, os jogadores correram desesperados para o vestiário e se recusaram a conversar com os repórteres. Mais tranqüilo, o técnico Márcio não mostrava preocupação com o fato de o Santos ter encostado na tabela. "Temos de nos preocupar com a gente. Temos o melhor ataque do campeonato, mas infelizmente a bola não entrou. A defesa foi bem, mas o ataque não conseguiu fazer os gols." A superstição do meia Carlos Alberto, que colocou um ?+? entre os números 1 e o 9 de sua camisa 19 - uma sugestão de sua mãe, para superar a má fase -, também não deu muito certo. Ele mais uma vez teve uma atuação apagada e foi substituído por Hugo pouco antes da metade do segundo tempo. Apesar de tudo, ele aprovou sua atuação. "Tivemos a chance de matar, mas a bola não entrou. Saio satisfeito, mas triste com a derrota. Preferia ter jogado mal e o time ganhado." Se do lado do Corinthians era só desolação, o Juventude comemorou como se tivesse conquistado um título. Com o ponto obtido nesta quarta, a equipe subiu para a 12.ª colocação e salvou a pele do veterano técnico Sebastião Lazaroni, que em cinco jogos à frente do time no Campeonato Brasileiro havia conseguido três derrotas, um empate e uma vitória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.