Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Márcio: "Não me sinto ameaçado"

Márcio Bittencourt deixou o cargo de auxiliar para assumir o tumultuado Corinthians após a demissão do argentino Daniel Passarella, em maio. Venceu cinco partidas seguidas, perdeu duas logo depois e agora pode ficar sem o cargo caso seja derrotado para o arqui-rival Palmeiras, no Morumbi.Agência Estado - O jogo é decisivo para a continuidade de seu trabalho?Márcio - Estou tranqüilo e sei que os atletas também estão. Não me sinto ameaçado, mas sei a importância de um clássico, que costuma ser um divisor de águas para todo time. AE - Muitos questionam seu trabalho, você se considera preparado para enfrentar tanta pressão? Márcio - Eu confio em mim, sei do meu potencial. Acredito na capacidade que tenho para arrumar o time, mesmo não tendo tanta experiência. AE - E o time, está pronto? Márcio - Sim, claro, temos um bom elenco e condições de disputar e conquistar o título brasileiro.AE - Você foi um jogador de muita fibra. Vai usar essa raça para se manter no cargo de treinador? Márcio - Não estou preocupado comigo, me preocupo com o elenco, com o desempenho do time.AE - Desde que você assumiu o comando, a diretoria cumpriu o planejamento definido e trouxe todos os jogadores que a equipe precisava? Márcio - Não tenho nada a reclamar da diretoria, pelo contrário. Sempre fui muito bem tratado e recebi tudo o que precisava. AE - Tendo recebido tudo o que foi pedido pela diretoria, você se responsabiliza, sozinho, por uma derrota no clássico? Márcio - Sempre fiz isso, desde quando era jogador. Se o time ganha, ganha todo mundo, mas se perde, a culpa, faço questão de dizer, é minha. Assumo toda a responsabilidade pela derrota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.