Marco Aurélio assume a Ponte Preta

Marco Aurélio, novo técnico da Ponte Preta, foi apresentado aos jogadores agora à tarde, no estádio Moisés Lucarelli, em substituição a Nelsinho Baptista, que foi contratado pelo São Paulo. Ele esbanjou otimismo, procurando sempre ver o lado positivo de todas as circunstâncias que cercam sua volta ao clube. Para ele, ter a chance de enfrentar o Corinthians nas semifinais da Copa do Brasil "é um ótimo negócio". A partir desta tarde, ele promete concentrar todos seus esforços para encontrar uma fórmula de barrar o campeão paulista."Temos que jogar muito bem, marcando os principais jogadores deles como o Ricardinho e o Marcelinho. Enfim, serão dois grandes jogos" , comentou.Marco Aurélio garantiu que não terá nenhuma dificuldade para se entender com o elenco, pois conhece a maioria dos jogadores. Fez questão também de dizer que jamais se incompatibilizou com o meia Piá, considerado temperamental, e a quem indicou para o Vitória-BA, no começo da temporada de 2000.A explicação da direção da Ponte sobre o novo contratado também não fugiu do esperado. Segundo o diretor de futebol, Marco Antônio Eberlim, o novo técnico reúne inúmeras qualidades para substituir à altura a Nelsinho Baptista. Entre elas, foi campeão da Copa do Brasil no ano passado, pelo Cruzeiro-MG, tem um vínculo com o clube, por sua passagem como jogador e técnico, além de ter grande aceitação entre a torcida e conselheiros. "Tenho certeza de que fizemos a melhor escolha", disse Eberlim, lembrando que chegou a cogitar outros nomes, como o próprio Oswaldo Alvarez, o Vadão, que deixou o São Paulo, e Carlos Alberto Parreira, ex-técnico da seleção brasileira. O contrato do técnico vai até dezembro de 2002, o mesmo valendo para o seu auxiliar Nenê Santana, ex-zagueiro da Ponte e que já trabalhou em outros clubes com Marco Aurélio. O novo técnico jogou na Ponte Preta nas décadas de 70 e 80, participando do histórico time que perdeu o título paulista para o Corinthians, em 1977. Também foi vice-campeão em 79 e 81. A sua carreira de técnico foi iniciada nas próprias divisões de base do clube, mas suas principal atuação aconteceu em 1998, quando livrou o time do rebaixamento no Campeonato Brasileiro da Série A. Em 1999 levou o time à elite paulista, depois de ficar em segundo lugar na Série A-2, além de colocar a Ponte nas oitavas-de-final do Brasileiro. No tempo que ficou longe do clube, o técnico dirigiu o Vitória-BA, Cruzeiro e Palmeiras. Sua principal conquista foi o título da Copa do Brasil ano passado. "Quem sabe a gente repete a dose?", brincou o técnico, de fala mansa e objetivos bem definidos. O primeiro é derrubar o Corinthians nas semifinais, nos confrontos que têm datas marcadas para dias 3 e 6, respectivamente, em São José do Rio Preto e Presidente Prudente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.