Marco Aurélio põe Cruzeiro no ataque

Para seguir na luta pelo título da Copa Sul-Americana, que poderá minimizar a frustração gerada pelo desempenho decepcionante no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro precisa vencer o Internacional, nesta quarta-feira, no Mineirão, por uma diferença de três gols. Afinal, na primeira partida do confronto, o time gaúcho ganhou por 3 a 1."Se o Cruzeiro estiver bem em campo poderá conseguir o que hoje muitos chamam de impossível. Falar de receita e de falhas é fácil, mas o importante é o que vamos fazer em campo, pois temos que conseguir a vaga para continuar na briga por um título", afirmou o lateral Sorín, que volta ao time depois de ser poupado no última rodada do Brasileiro.Além do jogador argentino, não participaram da derrota por 2 a 0 para o lanterna Guarani, em Campinas, o atacante Fred, o volante Maldonado e o zagueiro Edu Dracena. Todos foram escaladors para a partida contra o Inter.O técnico Marco Aurélio não poderá contar com o meia Sandro, que sofreu uma lesão no menisco e será submetido a uma artroscopia no joelho direito. A previsão inicial do departamento médico do Cruzeiro é que ele fique pelo menos 30 dias afastado dos treinamentos com bola.Com isso, o treinador decidiu apostar numa formação bastante ofensiva, escalando mais um atacante. Guilherme foi o escolhido para ocupar a vaga de Sandro, deixando o Cruzeiro no 4-3-3. "Nós temos 90 minutos para fazer, no mínimo, dois gols para levar para os pênaltis", resumiu o atacante Guilherme. "Nosso time, com essa formação, vai para dentro do Inter."Em clima de decisão, o jogadores convocaram a torcida a apoiar a equipe no estádio e a diretoria anunciou uma promoção no preço dos ingressos, que custarão R$ 5 e R$ 2, mais um quilo de alimento não perecível."Vontade não vai faltar nesse jogo decisivo diante da nossa torcida. Os cruzeirenses provaram sua força diante do Goiás (na fase anterior) e tenho certeza que irão comparecer para nos incentivar", afirmou o atacante Fred.

Agencia Estado,

19 de outubro de 2004 | 19h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.