Assunção diz que deu um soco em Valdivia em briga no Palmeiras

Assunção diz que deu um soco em Valdivia em briga no Palmeiras

Volante dispara: 'É um ser-vergonha. Vivia fazendo corpo-mole'

O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2015 | 10h40

A polêmica entrevista do meia Valdivia para o Estado, publicada nesta segunda-feira, fez com que o volante Marcos Assunção viesse a público comentar sobre a briga que teve com o chileno em 2012, quando jogaram juntos no Palmeiras. Após o empate em 1 a 1 com o Flamengo, resultado que culminou com o rebaixamento do Alviverde no Campeonato Brasileiro, eles discutiram rispidamente e chegaram a trocar socos no vestiário.

Segundo Assunção, ele deu um soco no chileno. “Eu perguntei se era o Valdivia que tinha reclamado. Sabia que ele falava mal de mim pelas costas. O Sampaio confirmou. Fiquei maluco.”, contou o volante, que continuou as críticas ao chileno. “O cara era um sem-vergonha. Vivia fazendo corpo-mole. O sangue subiu e, quando ele chegou perto, dei um soco na cara dele”, revelou Marcos Assunção, em entrevista ao jornal Diário de São Paulo.

 

“O Valdivia é um bosta. Está falando essas coisas para sair como bonzão”, completou o jogador. O volante foi cobrado pelo técnico Gilson Kleina e pelo gerente de futebol César Sampaio, porque os jogadores estavam incomodados com suas declarações. Assunção, que está sem clube, contou ainda que chegou a ser cumprimentado por outros atletas pela atitude. Já Valdivia, disse em entrevista ao Estado que a briga teve início porque Assunção achou que ele era quem o criticava e por isso resolveu tirar satisfação.

“Os jogadores estavam bravos com ele, porque sempre falava que estava jogando no sacrifício, tinha outros atletas que também estavam jogando assim e ninguém falava nada. No fim, ele saía como o cara que estava se matando pelo time sozinho. A discussão foi sobre isso, porque o elenco estava chateado e o Assunção entendeu que eu era quem falava mal dele. O César Sampaio é testemunha”, explicou o chileno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.