Daniel Teixeira/AE - 9/9/2011
Daniel Teixeira/AE - 9/9/2011

Marcos Assunção treina e pode voltar ao Palmeiras no clássico

O jogador é uma das armas do time para vencer o clássico contra o Corinthians, domingo

DANIEL BATISTA, Agência Estado

14 de setembro de 2012 | 18h25

SÃO PAULO - O interino Narciso não foi a única novidade do treino do Palmeiras nesta sexta-feira à tarde na Academia de Futebol. O treinador, que será interinamente o substituto do demitido Luiz Felipe Scolari, viu Marcos Assunção treinar normalmente e indicar que pode atuar no clássico deste domingo, contra o Corinthians.

No primeiro treino como interino, Narciso comandou um coletivo e escalou Marcos Assunção, volante cuja previsão de retorno ainda não era para este fim de semana. O jogador participou do começo ao fim da atividade no time titular e faz teste no sábado para confirmar se tem condições de jogar o clássico.

Com Marcos Assunção no time, Narciso escalou como titulares de início: Bruno; Corrêa, Thiago Heleno, Mauricio Ramos e Juninho; Henrique, João Vitor, Marcos Assunção e Valdivia; Luan e Barcos.

Na segunda metade do treino, fez três alterações, com as entradas de Obina, Artur e Tiago Real nas vagas de Luan, Corrêa e Thiago Heleno. Com isso, Henrique foi recuado para a zaga e o meio-campo se tornou mais ofensivo, com Valdivia e Tiago Real jogando juntos.

Depois da atividade, Narciso concedeu entrevista coletiva e falou da possibilidade admitida pouco antes pelo presidente Arnaldo Tirone, de ser efetivado no cargo. "Sempre esperamos essa oportunidade, desde quando comecei a ser treinador. Vou me comportar da mesma forma que me comportei em outros clubes. É claro que eu penso em ficar. Mas sou funcionário do clube, o que for decidido eu acato", disse o ex-jogador, que está no Palmeiras desde o fim de julho.

Ex-zagueiro do Santos, Narciso tem sua única experiência como técnico de equipes profissionais no Sergipe. Ele também trabalhou nas bases de Santos e Corinthians, tendo sido campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior este ano, antes de ser demitido no Parque São Jorge.

Em seu primeiro clássico, exatamente no clube do qual saiu em julho, ele quer que o time tenha tranquilidade para poder começar a tentar sair da zona de rebaixamento do Brasileirão. "A situação é bem complicada e acho que temos que passar para os atletas que temos que ser os mais calmos possível."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.