Marcos Aurélio diz que não guarda mágoa do Corinthians

Se dependesse do Corinthians, Marcos Aurélio não teria seguido a carreira de jogador. Em 2003, depois de ter sido aprovado em todos os testes e participado de inúmeros treinos com os reservas, foi mandado embora do Parque São Jorge. Oficialmente, não houve entendimento entre o seu procurador e os dirigentes. Até chegar ao Santos, o vice-artilheiro do time, com sete gols em 15 jogos, passou por quatro clubes e diz não ter mágoa do adversário desta noite. "O que importa é que eu provei que tenho condições para jogar por qualquer time", disse Marcos Aurélio, que vem mantendo a média de um gol por jogo, mas não tem planos para ser o artilheiro do time. "No Santos, tem vários jogadores que fazem gol. E eu só um deles. Se der para ser o artilheiro, melhor, mas também fico contente quando um companheiro marca." Marcos Aurélio foi contratado para ser o segundo atacante do time de Vanderlei Luxemburgo, com a missão de puxar os contra-ataques, explorando o seu forte, que é a velocidade. Mas, como o Santos não conseguiu contratar um centroavante para resolver de vez os problemas de seu ataque, o ex-jogador do Atlético-PR passou a atuar mais pelo meio, próximo a Rodrigo Tiuí, e vem se transformando no goleador do time. Nos quatro últimos jogos, fez quatro gols, todos decisivos. Marcou o primeiro na vitória por 2 a 1 contra o Paulista, na Vila Belmiro, o da virada por 2 a 1 sobre o Ituano, em Itu, o primeiro na vitória por 2 a 1 frente ao Gimnasia y Esgrima, em La Plata, na Argentina, e o primeiro da vitória santista por 2 a 1 contra o Rio Claro, domingo no Parque Antártica. Marcos Aurélio também fez o segundo gol da vitória por 3 a 0 contra o Gimnasia na Vila, mas o juiz pôs na súmula que o gol foi contra, de Basualdo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.