Marcos Aurélio ressalta conjunto santista após vitória

Marcos Aurélio, autor de um dos gols da vitória santista, enalteceu o grupo de seu time, após a partida diante do Rio Claro, por 2 a 1, no Palestra Itália. "A gente está sabendo suportar quanto toma gol, e sabendo corresponder", analisou. O atacante prevê dificuldades pela frente, apesar da boa campanha do time nas duas competições que disputa - além do Paulista, a Libertadores. "Não vai ter moleza."Agora, as atenções do Santos estão voltadas para o clássico contra o Corinthians, na próxima quarta-feira à noite, na Vila Belmiro. Essa será a última oportunidade de o Santos ganhar um clássico na fase de classificação do Campeonato Paulista. O time do técnico Vanderlei Luxemburgo faz ótima campanha, mesmo não se dando bem nos duelos com seus maiores rivais. Mas não pretende deixar passar a nova chance. E logo contra o adversário de sua preferência, o Corinthians, que vive maus momentos na competição.É uma partida que vai muito além dos três pontos. Nesta, entram os tempos de amargura do jejum de 11 anos que os santistas impuseram aos corintianos, o Paulistão de 2001, que escapou do Santos nos acréscimos com o gol de Ricardinho, as pedaladas de Robinho contra Rogério no título do Brasileiro de 2002, o jogo remarcado em 2005, na Vila também, e os inesquecíveis 7 a 1 dos galácticos da MSI. O clássico de quarta ainda é visto pelos dirigentes santistas como a melhor chance para o clube fazer um esquema de segurança perfeito a fim de provar para a Federação Paulista de Futebol que a Vila Belmiro tem condições para receber jogos das semifinais e finais do Campeonato Paulista. O estádio corre o risco de não ser usado. Contra o São Paulo, houve muita bagunça. Até privada foi arrancada do banheiro e atirada contra torcedores rivais.Em campo, o técnico Vanderlei Luxemburgo, especialista em competições por pontos corridos, sabe que de nada vai valer o Santos ter liderado a fase de classificação desde a terceira rodada se, por ventura, fracassar nas semifinais. E derrotar o Corinthians pode tirar um perigoso inimigo do caminho. Como também aumentaria a confiança de seus jogadores contra adversários de tradição, como o São Paulo, que poderá ser seu rival nas fases de mata-mata. Contra o Palmeiras, no Palestra Itália, o Santos chegou a estar duas vezes em desvantagem de dois gols, mas teve forças para reagir e transformou em empate a derrota que parecia inevitável. Ainda por cima, um dos gols foi de Pedrinho, um dos jogadores mais queridos pela torcida e que passou pelo Palmeiras nos últimos anos sem sucesso. Contra o São Paulo foi pior. Em casa, com o time completo e apoiado por uma torcida que quase lotou a Vila, o Santos foi dominado pelo São Paulo, perdia nos acréscimos quando ´baixou´ o Robinho em Carlinhos, usando chuteiras que recebeu de presente do atacante do Real Madrid, no gol que manteve a equipe na liderança. E o Santos voltou a sair de campo comemorando o empate como se fosse uma vitória, enquanto a violência tomava conta das arquibancadas atrás do gol dos fundos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.