Marcos chega cercado a Teresina

O goleiro Marcos chegou nesta terça a Teresina após uma semana de folga por ter disputado a Copa do Mundo, mas frustrou a expectativa de pelo menos 100 torcedores que foram ao aeroporto para recepcioná-lo. Por ordem da diretoria do Palmeiras, o jogador não teve contato com o público, deixando a pista e entrando rapidamente em um furgão que o levou ao hotel Rio Poty, no qual a equipe está concentrada para a Copa dos Campeões.Visivelmente cansado, evitou comentar o fato durante a coletiva concedida em uma das salas do hotel. "Eu apenas cumpro ordens".Em seguida, deixou claro que prefere esperar mais alguns dias para retornar ao time. "Eu não cheguei aqui para atrapalhar o trabalho. O Sérgio está voando baixo e merece toda confiança".Isolado - A viagem de São Paulo a Teresina durou cinco horas. Quem tentou chegar perto do jogador no aeroporto perdeu a viagem. Um forte esquema de segurança impediu até a aproximação dos jornalistas. Nem mesmo a miss Piauí, Roseane Lima, que desfilava pelo saguão do aeroporto com a coroa na mão, teve a atenção que esperava. Irritado, um repórter de uma emissora de televisão local descontou ao vivo sua raiva contra Sebastião Lapola, diretor de Futebol do Palmeiras, e Márcio Trevisan, assessor de imprensa do clube.Luxemburgo confirmou que Marcos não enfrentará o Vasco nesta quarta, na segunda partida do Palmeiras pelo Grupo D da Copa dos Campeões. Mas o goleiro campeão mundial pela seleção brasileira avisou que está bem fisicamente, apesar de ter passado praticamente dez dias sem treinar."Acredito que teria problemas para entrar em forma se tivesse parado há 30 dias. Quero lembrar que a Copa foi maravilhosa, um passo importantíssimo na minha vida, mas eu sabia que em algum momento teria que retornar ao Palmeiras. O momento chegou".O goleiro mostrou indignação quando perguntado se sua vinda para Teresina estaria condicionada a um aumento salarial. A notícia foi veiculada no início da semana por um site paulista. "Eu garanto que não recebi um centavo a mais para estar aqui. Infelizmente, muitos jornalistas plantam informações que não são verdadeiras. Eu tento combater isso, mas percebo a cada dia que passa que não irei conseguir".Copa do Mundo - Perguntas sobre a conquista da Copa foram inevitáveis. Mas Marcos fez questão de ressaltar mais de uma vez que o Mundial faz parte do passado. "Tenho que tocar a vida. O futuro está aí, estou com apenas 28 anos, e minha continuidade na Seleção Brasileira não está descartada".Acostumado com a organização da Copa do Mundo, o goleiro lembrou que o futebol brasileiro é muito forte independente da maneira como é administrado. "Claro que os campeonatos disputados aqui são deficitários e precisam melhorar. Mas tenho que viver essa realidade a partir de agora. O Palmeiras foi um clube que me deu todas as condições de crescer no futebol e atingir o degrau mais alto que um jogador pode almejar. É para este clube que tenho que trabalhar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.