Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Marcos diz que ainda é cedo para renovar com Palmeiras

Diretoria ofereceu a ele um contrato por mais dois anos; goleiro prefere falar dos jogos decisivos do time

AE, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 14h24

SÃO PAULO - O goleiro Marcos afirmou que ainda é muito cedo para pensar na renovação de seu contrato com o Palmeiras, que vai até o fim do ano. A diretoria ofereceu a ele um compromisso com mais dois anos de duração, mas por enquanto ele prefere pensar apenas nos jogos decisivos que o time fará nas próximas semanas, pelo Campeonato Paulista e pela Libertadores.

Veja também:

linkDiego Souza lamenta desfalcar Palmeiras em clássico

linkDenilson volta ao Palmeiras para se recuperar de lesão    

linkOrtigoza comemora, mas não é o preferido do técnico 

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

"O Palmeiras me procurou e isso me deixa satisfeito, mas ainda temos tempo para conversar. Vamos resolver essa questão, mas minha cabeça está agora no meu retorno e nesses jogos decisivos que teremos em abril", afirmou o goleiro, que completa 36 anos em setembro e se vê em plenas condições de jogar até 2011. "Um goleiro pode perfeitamente jogar por mais tempo. Se não tivesse essa visão, pensaria na aposentaria sem medo algum", jura.

Satisfeito com sua volta na vitória por 2 a 1 sobre o Bragantino, nesta terça-feira, depois de quase um mês parado, Marcos acha que o setor defensivo do Palmeiras ainda precisa de ajustes e entrosamento. "O Vanderlei (Luxemburgo) está tendo sempre que mexer em alguma peça e isso atrapalha, mas o time já está criando uma forma de jogar. Estamos em montagem e vamos chegar no nosso ideal", espera.

Ele destacou a capacidade de reação da equipe, que saiu atrás no marcador, com um gol contra de Jéci, e soube manter a calma para conseguir e virada e a classificação antecipada para as semifinais do Paulistão. "Sabíamos que seria um jogo difícil, mas conseguimos manter a calma e buscamos a virada com muita persistência e vontade. É essa pegada que temos que ter para os jogos finais e também para a Libertadores", pregou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.