Marcos diz que fica no Palmeiras

Depois de dez dias, Marcosfinalmente resolveu falar com os jornalistas. O goleiro disseque não está pensando em sair do Palmeiras neste momento, masdeixou claro que está aberto a propostas, especialmente doexterior. Com contrato até junho do ano que vem, Marcos tambémnegou sondagens do Cruzeiro, apesar de dirigentes do clubemineiro terem confirmado o interesse em contratá-lo. E jurou quenão se sente envergonhado em disputar a Série B do CampeonatoBrasileiro."Prefiro jogar a segunda divisão por uma equipe estruturadacomo o Palmeiras do que me arriscar em clubes que ficam até seismeses sem pagar. Jamais daria as costas para o clube que merevelou e jamais deixou de pagar em dia. Por sinal, acho umabsurdo alguns jogadores desprezarem o Palmeiras apenas pelasituação de momento. Logo voltaremos para a primeira divisão eesses mesmos atletas vão se oferecer para jogar aqui. Tomara quea diretoria tome uma postura de não contratá-los jamais".Desestimulado pela falta de jogos (o Palmeiras entrará em campoapenas no dia 23 contra o Vitória pela Copa do Brasil), Marcosreconheceu que está sendo difícil manter a concentração apenasnos treinos diários. E lembrou que só falará sobre reforços nomomento em que a diretoria anunciá-los oficialmente."Detesto comentar boatos. Já falaram muitas vezes que eu estavavendido, seja para o Arsenal, seja para Cruzeiro ou Corinthians,e eu continuo no Parque Antártica. O Adãozinho teve uma propostado Flamengo, mas não foi para o Rio de Janeiro. Agora falam doFrança, que ele virá para cá em maio. Mas vamos esperar para vero que vai acontecer. Meu pensamento está voltado para oCampeonato Brasileiro. A ansiedade é grande em voltar o maisrápido possível para a primeira divisão".Mantendo a postura de não comentar a qualidade do time, Marcoslembrou que muitas vezes equipes com nomes famosos não chegaramao título."Só com o passar do jogos vou poder dizer se temos ou nãocondições de voltar à Série A. De repente o time começa bem eembala. Agora, é claro que a pressão vai existir. Existiriamesmo na primeira divisão porque o Palmeiras é grande e temtradição".O goleiro também pediu uma trégua aos torcedores, que semanapassada picharam os muros do Parque Antártica exigindo arenúncia do presidente Mustafá Contursi e a contratação dereforços. "Esse tipo de protesto não ajuda a ninguém. Violêncianão leva a nada".Por outro lado, o técnico Jair Picerni cansou de esperar porcontratações de peso. Nesta segunda-feira, afirmou que vaiforçar os diretores a explicar como andam as negociações. "Elestêm que vir à imprensa e falar o que está acontecendo, se vamoster ou não o França ou o Rodrigo Fabri, por exemplo. Espero queisso aconteça dentro de 48 horas no máximo. O que não pode é atorcida esperar grandes craques e se frustrar depois".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.