Marcos e Juninho vivem dia inesquecível

Os veteranos Marcos e Juninho viveram uma tarde inesquecível, neste domingo, no Palestra Itália. O goleiro deixou a frieza do profissionalismo de lado para festejar cada gol do Palmeiras como um torcedor junto aos gandulas que estavam no gol de fundo do estádio. Ele só conseguiu deixar o gramado vinte minutos após o fim do jogo, tal o assédio dos jornalistas. ?Valeu pelo espírito de luta da equipe. Não desistimos nunca. No segundo tempo, o Palmeiras mostrou o verdadeiro Palmeiras. Foi um prêmio para a torcida, que nos ajudou muito hoje (domingo)?, disse o camisa 1, debaixo dos gritos de ?melhor goleiro do Brasil? vindos das arquibancadas. Sua entrevista foi interrompida depois que um torcedor mais exaltado invadiu o gramado e só parou ao ser impedido por três policiais. Na confusão, Marcos acabou indo para o chão. O meia Juninho, ídolo são-paulino nos anos 90, sentiu o gosto de ser ídolo em outro grande time paulista. Feito que poucos jogadores conseguem. Destaque do time no Brasileiro, o camisa 10, mais uma vez, foi um dos melhores em campo. Sua atuação ganhou ares heróicos aos 40 minutos quando sofreu um estiramento muscular na perna direita. Contusão que não o impediu de dar um carrinho na área palmeirense e puxar um contra-ataque. ?Essa briga pela Libertadores foi gostosa. Felizmente, o Palmeiras ficou com a vaga, o nosso segundo objetivo no ano. O primeiro era o título?, disse Juninho. Leão - Suspenso pelo STJD, por causa da expulsão na derrota para o Internacional, no domingo passado, o técnico Emerson Leão assistiu ao jogo em um apartamento em um dos prédios da Rua Padre Antonio Tomas, que dá vista para o campo do Palestra Itália. Com a ajuda de um rádio, passou informações para seu sobrinho e preparador-físico Fernando Leão, à beira do gramado. Segundo a assessoria de imprensa, Leão não deu entrevista após o jogo com medo de ser mal-interpretado pelo STJD. ?Ele passou uma rugida no vestiário?, disse o volante Correa. Serra - O prefeito José Serra fez questão de ir ao vestiário parabenizar os jogadores do Palmeiras. ?Foi brilhante. O Fluminense, um grande time, esteve cinco vezes com a vaga neste jogo e o Palmeiras ainda foi buscar?. Serra elogiou o trabalho de Leão. ?Sua contratação foi a melhor coisa para o Palmeiras?. Sobre as comemorações após o jogo, o prefeito mostrava-se tranqüilo. ?Não há motivo para violência. Todos estão contentes. Não espero que nada aconteça de ruim?.

Agencia Estado,

04 de dezembro de 2005 | 19h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.