Marcos esquece falha e continua como titular contra o Guarani

"A presença dele acrescenta muita coisa para a equipe", afirma o técnico Vanderlei Luxemburgo

Juliano Costa, Jornal da Tarde

08 de fevereiro de 2008 | 08h23

Marcos saiu muito chateado de campo após a derrota por 3 a 0 para o Guaratinguetá, quarta-feira, em Rio Preto, e admitiu ter falhado no segundo gol. Contudo, o goleiro já mostrou estar completamente recuperado do baque emocional e pronto para o jogo deste sábado, contra o Guarani, mais uma vez em Rio Preto.Veja também: Palmeiras fecha acordo e Denilson reforça o time O goleiro desfilou pelo hotel em São José do Rio Preto exibindo a simpatia de sempre - calmo e sereno, deu autógrafos e posou para fotos com hóspedes. Vendo toda essa tranqüilidade em Marcos, o técnico Vanderlei Luxemburgo resolveu bancar sua escalação. "A presença dele acrescenta muita coisa para a equipe", disse o treinador. "Marcos é inteligente e experiente o suficiente para saber que lances como aquele do segundo gol são comuns no futebol. Isso não o afeta", emendou o preparador de goleiros Carlos Pracidelli, sobre o escorregão de Marcos no momento da falta cobrada pelo volante Alê. "Ele foi impossibilitado de pular na bola por causa desse escorregão." Marcos não jogava havia 331 dias, por causa de duas fraturas consecutivas no antebraço esquerdo. Ele só havia feito quatro coletivos, mas Luxemburgo resolveu escalá-lo por acreditar que o veterano goleiro, de 34 anos, "dá mais peso ao time". O técnico chegou a compará-lo a Rogério Ceni, que é alguns meses mais velho e titular do São Paulo há uma década. "Se o Rogério consegue jogar, o Marcos também pode." SEM DRAMADiego Cavalieri, titular durante a ausência de Marcos, não se abalou por ter sido preterido da equipe, segundo Carlos Pracidelli. "Diego está tranqüilo porque, desde o dia em que entrou no time, era sabedor que estava substituindo um ídolo que só havia saído por motivo de contusão."

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasMarcosPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.