Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Marcos evita críticas, pede calma e elogia Santo André

'Tudo o que eu falar pode ser usado contra mim no tribunal', ironiza o goleiro após a derrota do Palmeiras

AE, Agencia Estado

22 de outubro de 2009 | 00h37

Depois de ser criticado pelas reclamações feitas sobre companheiros de time na derrota para o Flamengo, no domingo, o goleiro Marcos saiu de campo nesta quarta-feira tentando ser mais comedido, após a derrota do Palmeiras para o Santo André, fora de casa. "Tudo o que eu falar pode ser usado contra mim no tribunal", ironizou.    

 

Veja também:

forum Blog Bate-Pronto - Para ser campeão, não pode 'pipocar'

som Ouça na Eldorado/ESPN - Santo André 1 x 0; Santo André 2 a 0

linkPalmeiras volta a tropeçar e leva 2 a 0 do Santo André

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Dessa vez, o goleiro disse que o time jogou bem e que era preciso ressaltar a qualidade do Santo André, sem ironias. "A gente conversa, treina, acerta todos os detalhes, mas às vezes se esquece que do outro lado tem um time que também precisa vencer. Hoje o Santo André foi melhor", afirmou.

Ao invés das reclamações, Marcos pediu tranquilidade ao time, "porque ninguém vai passar o Palmeiras nesta rodada". Não apontou nomes e pediu que cada companheiro faça uma autocrítica. "Eu mesmo vou pra casa, ver o compacto do jogo, dormir lá pelas 7 horas da manhã e depois tentar melhorar nos treinos".

Definindo-se como "macaco velho no futebol", Marcos revelou ter sentido em alguns jogadores mais jovens um certo deslumbramento com a liderança. "O que antes era excesso de confiança virou falta de confiança", diagnosticou o goleiro. "A gente tem que ficar pegando no pé para não deixar ninguém se empolgar".

Ao fim do jogo, o quarto seguido sem vitória, o goleiro evitou comentar o futuro do time na competição e prometeu esforço para seguir na briga pelo título. "Se a gente tiver que ser, vai ser campeão. Se não tiver que ser, será alguém que mereça", disse o goleiro, sem desanimar. "Mas enquanto ainda tivermos chances matemáticas, vamos continuar lutando".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.