Marcos ficará no Palmeiras até após aposentadoria

Marcos e a diretoria do Palmeiras formalizaram nesta segunda-feira o último contrato da carreira do goleiro. A duração é de mais dois anos como jogador e outros três como membro da comissão técnica, em função a ser definida no futuro. Assim, o ídolo palmeirense terá 38 anos quando for deixar os gramados.

AE, Agencia Estado

25 de maio de 2009 | 21h31

"Já vou fazer 36 (em agosto) e, até o ano passado, imaginava que esta seria minha última temporada. Mas felizmente estou bem e me sinto em condições de jogar por mais dois anos. E quero deixar claro que não assinei para depois ganhar dinheiro do Palmeiras por mais três anos, sem fazer nada. Quero e vou continuar sendo produtivo", disse Marcos.

Questionado se agora é certeza de que não vai mais jogar em nenhum outro clube que não seja o Palmeiras, o goleiro respondeu que nunca teve "vontade de vestir outra camisa". Disse também não se arrepender de ter rejeitado uma proposta milionária do Arsenal, da Inglaterra, em 2003. "Sou muito feliz aqui", garantiu Marcos.

Durante a entrevista coletiva desta segunda-feira, Marcos ficou com lágrimas nos olhos ao lembrar da família, especialmente do pai, seu Ladislau, morto no ano passado, e da mãe, dona Antônia, que vive em Oriente, cidade próxima a Marília, no interior de São Paulo. "Devo muito a eles, e também a meus irmãos, que várias vezes fizeram vaquinha para que eu tivesse dinheiro para viajar e jogar. E minha mãe deve estar muito feliz, porque é descendente de italianos e palestrina fanática. Mas vocês (jornalistas) não vão conseguir me fazer chorar", falou o goleiro, sorrindo.

Marcos se disse muito contente com o novo contrato - vai ganhar quase R$ 200 mil mensais. Afirmou que não se vê hoje em condições de ser convocado para a seleção brasileira, "porque os goleiros que o Dunga chamou são excelentes", mas admitiu que ainda sonha disputar uma nova Copa do Mundo - ele foi campeão em 2002. "Se precisarem de um cara experiente, bom de grupo e contador de piadas, estou aí!", avisou.

Sobre a homenagem idealizada pela diretoria do Palmeiras - um busto no Palestra Itália -, Marcos disse que se sente muito honrado, mas que não quer pensar nisso agora. "Estou de olho é no Nacional. Recebemos um DVD com os jogos deles e vou ver com atenção", disse o goleiro ao falar sobre o time uruguaio, adversário de quinta-feira, no Palestra Itália, pelas quartas de final da Copa Libertadores.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasMarcos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.