Marcos pede um 'jogo limpo' entre Palmeiras e São Paulo

Goleiro palmeirense diz que jogadores não podem se influenciar por briga dos dirigentes fora de campo

Daniel Akstein Batista, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2008 | 20h06

A guerra de bastidores entre Palmeiras e São Paulo já começou com a disputa pelo local do segundo jogo da semifinal do Paulistão. Nos últimos anos, os confrontos entres os dois clubes têm dado o que falar: com atletas no tribunal, expulsões, reclamações de ambas as partes. Nas próximas duas partidas, os jogadores palmeirenses esperam um clima um pouco melhor. Pelo menos da parte deles. Veja também: Quais times estarão na final do Campeonato Paulista? Os números e destaques dos confrontos das semifinais "É um jogo em que todos vão ficar atentos, vai ter várias câmeras nos jogadores", disse o goleiro Marcos, o capitão palmeirense. "Mas a rivalidade entre os jogadores não vai existir, os problemas que têm são mesmo entre as diretorias do São Paulo e Palmeiras. Temos a obrigação de fazer um jogo limpo. Essa briga externa nós deixamos para lá." O lateral-direito Élder Granja segue a opinião do colega e espera que a partida de domingo, no Morumbi, não tenha muitos problemas. "Vai ser um jogo disputado como qualquer clássico. Sempre na lealdade, respeitando um ao outro", avisou o jogador, um dos titulares do time palmeirense. Na primeira fase do Paulistão, o Palmeiras venceu o São Paulo por 4 a 1, em jogo disputado no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto. E aquele jogo teve algumas conseqüências negativas, para os dois lados: o palmeirense Kléber acertou uma cotovelada em André Dias e pegou três partidas de suspensão; e o são-paulino Jorge Wagner deu uma joelhada em Valdivia e levou uma rodada de gancho. Além de torcerem para que os fatos negativos não se repitam, os jogadores palmeirenses duvidam que possam golear novamente o rival São Paulo agora na semifinal. Mesmo porque, os jogos tendem a ser mais nervosos, com as duas equipes evitando um erro que pode definir a classificação para a final do Paulistão. "Foram três gols de pênalti [naquela vitória por 4 a 1]. Até aquele momento estava 1 a 1 e qualquer um poderia ganhar", lembrou Marcos. "Vai ser um jogo duro, brigado, de poucos gols", acrescentou o goleiro, que imagina uma partida de muita marcação no domingo, no Morumbi. "Os times vão fazer um estudo maior no primeiro jogo, para deixar para decidir no segundo [marcado para 20 de abril]." PREPARAÇÃOO elenco do Palmeiras viajou nesta terça-feira para Atibaia, cidade do interior de São Paulo, onde irá ficar até sábado, fazendo a preparação para o confronto com o São Paulo. E os jogadores aprovaram a concentração total adotada pelo técnico Vanderlei Luxemburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.