Cesar Greco/FotoArena
Cesar Greco/FotoArena

Marcos pega três pênaltis e Palmeiras avança na Libertadores

Goleiro brilha e garante o triunfo por 3 a 1 após derrota no tempo normal por 1 a 0; próximo rival é o Nacional

André Rigue, estadao.com.br

12 de maio de 2009 | 22h28

Um duelo para ficar na memória da Copa Libertadores. Em noite brilhante do goleiro Marcos, o Palmeiras avançou às quartas de final após derrotar o Sport Recife nos pênaltis por 3 a 1, na Ilha do Retiro. No tempo normal, os pernambucanos fizeram 1 a 0, com Wilson, e igualaram o placar da vitória palmeirense no Palestra Itália.

 

Veja também:

link Marcos festeja vaga e diz que se aposenta com a camisa 12

som Ouça na Eldorado/ESPN - As defesas de Marcos

especialVisite o canal especial da Libertadores

lista Libertadores - Calendário/Resultados

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Na próxima fase, o Palmeiras vai enfrentar o Nacional, do Uruguai. O time uruguaio garantiu vaga nas semifinais após a eliminação do mexicano San Luís, por causa da gripe suína - a Conmebol não autorizou a realização de jogos no México. Pelo mesmo critério, o São Paulo avançou com a exclusão do Chivas.

 

O jogo desta terça-feira começou fora do gramado, com Nelsinho Baptista e Vanderlei Luxemburgo travando um duelo de "xadrez". O técnico do time pernambucano colocou força máxima no ataque e deu liberdade para Paulo Baier. Já o treinador palmeirense recuou, jogou no 3-6-1, com apenas Keirrison na frente - o volante Souza atuou no lugar de Willians.

 

O Sport entrou mordido. Apoiado por um grande público, o "Leão da Ilha" sufocou no começo. Aos 9 minutos, Marcos realizou seu primeiro milagre. Em cruzamento de Dutra na boca do gol, Durval desviou e Paulo Baier completou de cabeça. O goleiro do Palmeiras pulou e deu um toque salvador para impedir que a bola ultrapassasse a linha.

 

O Palmeiras recuou demais no primeiro tempo, diferente da atuação contra o mesmo Sport na primeira partida na Ilha, pela fase de grupos. Lance de perigo do time alviverde só aos 25 minutos. Após falta cobrada por Cleiton Xavier, o zagueiro Mauricio Ramos surpreendeu ao pegar o rebote e arriscar um voleio de fora da área. Magrão pegou.

 

O time pernambucano não se intimidou e novamente partiu para cima. Aos 30 minutos, Sandro Goiano deu passe para Paulo Baier dentro da área. Livre e sem nenhum palmeirense por perto, o lateral-direito só não marcou porque Marcos saiu do gol, abafou a jogada e mandou a bola por sobre o travessão.

 

A noite estava ingrata com Paulo Baier. Aos 42 minutos, a zaga do Palmeiras falhou e a bola sobrou para o lateral. Novamente livre, dessa vez ele bateu no contrapé de Marcos, mas a bola caprichosamente foi para fora. "Tive três oportunidades para marcar. Ninguém está ali para errar, mas infelizmente eu falhei", lamentou Paulo Baier na saída para o intervalo.

 

E Paulo Baier foi sacado no intervalo. Ao ver o jogador desestabilizado emocionalmente, Nelsinho colocou Fumagalli em camp

 Sport Recife1 (1)
Magrão; Igor, César e Durval; Luciano Henrique, Daniel Paulista (Sandro Goiano), Andrade (Moacir), Dutra e Paulo Baier (Fumagalli); Wilson e Ciro
Técnico: Nelsinho Batista
 Palmeiras0 (3)
Marcos; Marcão, Maurício Ramos e Danilo; Wendel, Pierre, Souza (Mozart), Cleiton Xavier, Diego Souza (Willians) e Pablo Armero; Keirrison (Ortigoza)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Gols: Wilson, aos 37 minutos do segundo tempo. Nos pênaltis: Marcão, Danilo e Armero marcaram e Mozart perdeu para o Palmeiras; Igor marcou e Luciano Henrique, Fumagalli e Dutra perderam para o Sport

Árbitro: Carlos Chandía (CHI)

Estádio: Ilha do Retiro, em Recife (PE)

o. O Sport continuou com o ritmo forte no segundo tempo. Aos 8 minutos, em cobrança de escanteio, Souza falhou na cobertura no primeiro pau, Ciro desviou de cabeça e Marcos fez outra grande defesa.

 

A meta do Sport era marcar o gol no começo do segundo tempo, o que não ocorreu. Com isso, os pernambucanos ficaram nervosos e o Palmeiras cresceu na marcação. Mas Luxemburgo, surpreendentemente, decidiu mexer nesse momento da partida e tirou Diego Souza e Keirrison, seus principais jogadores, para colocar Willians e Ortigoza, respectivamente.

 

As mudanças do treinador foram desastrosas. O controle que o alviverde havia adquirido da partida se perdeu. O Sport martelou e conseguiu furar o bloqueio aos 37 minutos. Em bela jogada de Luciano Henrique, ele ganhou da marcação e cruzou. Wilson apareceu na pequena área e estufou as redes.

 

A Ilha do Retiro se transformou num caldeirão. Aos 48 minutos, Ciro chutou de fora, Marcos desviou e a bola explodiu na trave. A decisão da vaga foi para os pênaltis. Nas cobranças, brilhou a estrela do goleiro palmeirense, que pegou as bolas de Luciano Henrique, Fumagalli e Dutra, garantindo a vitória por 3 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.