Marcos pode ser a grande novidade do Palmeiras em Rio Preto

Vanderlei Luxemburgo aposta na volta do ídolo palmeirense que está longe dos gramados por 331 dias

Juliano Costa, Jornal da Tarde

05 de fevereiro de 2008 | 20h16

Fábio Pinto/AE - 28/01/2008Marcos conversa com Luxemburgo durante treino; experiência do goleiro pode ser decisiva para o Palmeiras voltar a vencer no Campeonato Paulista; adversário é o líder GuaratinguetáSÃO JOSÉ DO RIO PRETO - Marcos treinou como titular nesta terça-feira e pode ser a grande novidade do Palmeiras na importante partida contra o Guaratinguetá, nesta quarta-feira, às 21h45, em São José do Rio Preto. Depois de 331 dias parado por causa de duas fraturas consecutivas no braço esquerdo, o goleiro mostrou estar totalmente recuperado das lesões e pronto para superar esse drama.   "Fiquei muito triste com tudo isso, cheguei a pensar em parar, mas o pessoal aqui sempre me apoiou. Estou bem fisicamente e feliz por poder voltar a jogar", disse Marcos, segunda-feira, na Academia de Futebol. O treino desta terça-feira deveria ser secreto, mas a reportagem da Agência Estado conseguiu acompanhar a movimentação a partir da sacada de um prédio vizinho - cortesia do comerciante corintiano Roberto Mendonça.   A intenção de Vanderlei Luxemburgo era esconder as muitas mudanças da equipe. Marcos era a principal delas. Apesar de o treinador não confirmar o retorno do veterano de 34 anos como titular, a expectativa é grande. "O Marcos está bem. Não há nada que o impeça de jogar. A decisão é do Vanderlei", disse Carlos Pracidelli, preparador de goleiros.   As contusões perseguiram Marcos durante toda sua carreira - ele já teve problemas no pé direito, na coxa direita, no quadril, na clavícula e até de bronquite. Mas o braço esquerdo sempre foi o maior pesadelo. Ele já quebrou o polegar e operou o punho duas vezes - em 2000 e 2004. Mas nunca ficou tanto tempo inativo como agora, depois de ter fraturado o antebraço durante jogo contra o Juventus, em 11 de março do ano passado, pelo Paulistão.   Marcos passou por uma cirurgia para implante de uma placa de liga metálica de titânio logo após essa contusão, mas o objeto apresentou uma deformação anatômica semanas depois, causando dores intensas no goleiro. Marcos, então, precisou trocar a placa - a nova tem 11 centímetros.   Durante a recuperação, o camisa 1 do Brasil no pentacampeonato mundial, em 2002, pensou várias vezes em encerrar a carreira. A morte trágica do atacante Alemão (num acidente de trânsito), seu companheiro no departamento médico, foi um duro golpe, superado graças ao apoio dos amigos e da família.   Em outubro, quando estava se preparando para voltar, Marcos sofreu nova fratura - no mesmo braço. O incidente ocorreu durante um treino no Palestra Itália, em choque com o atacante Rodrigão, já devolvido ao Atlético Paranaense.  O tratamento teve de recomeçar do zero. Marcos agüentou firme. E agora está pronto para voltar.   Detalhe: ele usará a camisa 12, já que a número 1 agora é de Diego Cavalieri, que voltará para a reserva. Foi com a 12 que ele fechou o gol do Palmeiras e garantiu a conquista da Libertadores de 1999, último grande título do clube.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasMarcosPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.