Marcos precisa ?se acostumar? com a dor

"Marcos vai ter que se acostumar a jogar com dor". Essa é a avaliação do técnico Emerson Leão, que pretende escalar o goleiro no jogo de sábado contra o Internacional, no Parque Antártica. Operado duas vezes no punho esquerdo - a primeira em 2000 e a segunda no ano passado -, Marcos ainda não conseguiu engatar uma seqüência de pelo menos três meses como titular do Palmeiras este ano. Tudo por causa das dores que ainda sente no local da cirurgia. "O Marcos sempre terá dor. Ele precisa ser mais inteligente e, em alguns lances, fazer a defesa em dois tempos, amortecer a bola primeiro", diz Leão, que completa: "Estou convicto que isso é o melhor para ele. Vai aparecer uma dor aguda em certos momentos, mas será algo que vai durar apenas uns dois minutos". Em entrevistas recentes, Marcos admitiu que já vinha atuando com dores. Ele só desfalca o time quando apresenta um quadro mais agudo de dor no punho operado. "Tenho conversado muito com ele sobre isso", diz Leão, que sempre desmentiu a suposta história de que teria algo contra o goleiro. "Infelizmente, não há outra alternativa. O Marcos vai ter que se acostumar a jogar com dor". Enquanto Marcos volta já neste sábado, o atacante Muñoz deve esperar pelo menos mais duas semanas para poder treinar com bola novamente. O jogador, que passou por duas cirurgias consecutivas no joelho esquerdo e não atua desde maio do ano passado, voltou dois quilos mais gordo da Colômbia, onde ficou por três meses fazendo fisioterapia. O lateral-esquerdo Lúcio e o zagueiro Nen são os outros dois jogadores palmeirenses que estão no departamento médico. Operado no tornozelo direito, Lúcio deve voltar em três meses. Nen, que passou por uma cirurgia no joelho direito, só volta a jogar ano que vem. Leão não desistiu de contar com reforços para essas duas posições, mas não tem feito disso uma obsessão. "Alguém já me viu reclamando da necessidade de reforços? Alguém já me viu chegando a um clube e pedindo reforços? Isso não faz parte do meu perfil. Trabalho com o que temos aqui", diz o técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.