Marcos quer trégua do assédio

Passados 26 dias da conquista da Copa do Mundo como goleiro da Seleção Brasileira, Marcos pediu uma trégua aos torcedores que o procuram em busca de autógrafos. O jogador admitiu nesta quinta em Belém que o assédio está se tornando desgastante em meio à disputa da Copa dos Campeões. Domingo, o Palmeiras enfrenta o Paysandu pela semifinal da competição, que já tem o Cruzeiro garantido na decisão."Quero voltar a ter uma vida normal o mais rápido possível. É complicado fazer parte de um grupo e sempre ser o último a entrar no ônibus. Não vai demorar muito para eu levar uma bronca do Luxemburgo. Se paro para assinar para um, tenho a obrigação de assinar para todos".Ao contrário dos dias que viveu em Teresina, em que passava os momentos de folga no saguão do hotel onde a delegação ficou concentrada, em Belém o jogador raramente sai para a rua. Mas afirma que o sacrifício vale a pena quando imagina que o título está próximo."Não quero menosprezar nenhum torcedor, mas o importante para mim é pensar apenas em ganhar do Paysandu no domingo".Marcos recebeu dos diretores do Clube Assembléia Paraense, onde o Palmeiras treinou nesta quinta pela manhã, mais uma homenagem pela conquista do penta. Assinou o livro de visitas que registra a passagem de figuras ilustres pelo local desde 1930, relação da qual fazem parte os cantores Roberto Carlos e Rita Lee, e o treinador Telê Santana.Principal obstáculo - O treinador Vanderlei Luxemburgo ressaltou nesta quinta que o Paysandu tem no conjunto o seu ponto mais forte. "Por isso que está ganhando tanto nos últimos anos. Quem trabalha sem planejamento dificilmente colhe resultados. Estou assistindo a vários teipes da equipe do Givanildo para ter uma noção maior de como vou armar o time para o jogo".Luxemburgo também citou que a pressão da torcida local não terá tanta influência devido à engenharia do Mangueirão, local da partida. "A arquibancada fica muito distante do gramado, assim como no Morumbi e no Maracanã?.Em tom de brincadeira, o treinador lamentou a eliminação do Flamengo, seu clube do coração, da Copa dos Campeões. "Estou triste. Mas o Cruzeiro é uma equipe muito experiente, que matou a partida nos contra-ataques".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.