Marcos volta e Sérgio fica revoltado

Tudo foi combinado na noite de terça-feira. Marco Aurélio e o preparador de goleiros Carlos Pracidelli se reuniram com os goleiros Marcos e Sérgio. Com todo o tato, o treinador palmeirense disse que havia "chegado a hora" de Marcos voltar a ser titular. Nada mais normal. Afinal, o goleiro da seleção brasileira só havia perdido a posição por causa de uma operação no pulso direito. Mas o até então pacato Sérgio resolveu mudar o script. Após o coletivo desta quarta-feira mostrou uma inesperada revolta. "Estou sendo injustiçado. Eu roí o osso no ano passado e agora que vem o filé da Libertadores fico de fora. O Palmeiras me trata de uma maneira bem diferente que o Marcos. Estou jogando muito bem, não deveria sair. Goleiro aqui só saía quando estava machucado ou atuando mal. Estou triste, decepcionado e desmotivado. Não esperava que fossem fazer isso comigo", desabafa Sérgio, com os olhos vermelhos. O Palmeiras tomou 16 gols nas seis primeiras partidas do Campeonato Paulista. "E o pior é que fica a impressão que eu fui culpado pelos gols. Fui orientado para não reclamar, mas não me conformo", lamenta Sérgio.A surpresa pela reação de Sérgio foi tanta que Marco Aurélio se acelerou sua entrevista para não se aprofundar sobre o tema. "Foi minha opção colocar o Marcos como titular e pronto", dizia o treinador, se apressando em procurar proteção nos vestiários.O preparador de goleiros, Carlos Pracidelli, tentou diminuir a tensão. Mas fez questão de mostrar quem tem autoridade para escalar os goleiros do Palmeiras. "O Sérgio estava maravilhoso no gol do Palmeiras. Mas o titular agora é o Marcos. A decisão foi minha e do Marco Aurélio. O Sérgio tem 30 anos e precisa ser experiente o suficiente para não se deixar abater por esse momento. O bom é que ele saiba que nós confiamos nele", afirmou.Marcos tentou ficar tranqüilo no meio do furacão. Mas, no íntimo, ele sabia que havia pressionado a comissão técnica para voltar. Tiveram eco as suas declarações que se não voltasse a ser titular até o meio do ano pediria para sair."Desde que me recuperei estou lutando para ser titular. Não é nada contra ninguém. Pelo contrário. Só quero jogar. Sei que o Palmeiras só está na Libertadores por causa do Sérgio, que fez de tudo na Copa dos Campeões e defendeu os pênaltis da decisão. E na Mercosul também foi sensacional. Ele tem todo o direito de se revoltar. Mas não contra mim porque nossa disputa não pode ser pessoal. Estou lutando pela posição assim como ele. Mas espero que isso não afete a nossa amizade. Eu costumava ficar no quarto com ele nas concentrações, agora não sei como ficará a nossa situação", afirmava, tenso."Se o Dida, o Rogério Ceni ou Helton fossem operados tenho certeza que voltariam a ser titulares quando estivessem recuperados. Eu estou recuperado desde que o ano começou e fui para o banco. Eu nunca criei clima algum aqui no Palmeiras", relembrou Marcos.Novidades - Marco Aurélio aproveitou o dia de hoje para reformular a estratégia do Palmeiras. A próxima partida será contra a Internacional de Limeira, domingo no Parque Antártica. Um novo vexame diante dos torcedores custará o seu emprego. Por isso colocará apenas dois volantes. Para articular as jogadas ofensivas no meio-de-campo, Lopes e Alex. No ataque, Tuta e Fábio Júnior."Acho que o Marco Aurélio acertou em definir essa maneira de o Palmeiras jogar. Precisamos priorizar mesmo o ataque. O Lopes vem de suspensão de quatro meses e está louco para jogar de novo. Acho que essa equipe tem tudo para se firmar como a titular", resume, entusiasmado, Alex.Leonardo, recém-contratado do Coritiba, será o zagueiro-central titular. "Eu estou pronto para jogar. Não vejo a hora de chegar o domingo. Tenho certeza que irei mostrar o meu valor no Palmeiras", afirma o ex-capitão do Coritiba. Fernando foi submetido a uma ressonância magnética no joelho direito e deverá ficar pelo menos duas semanas sem jogar. Fábio Júnior foi convencido por Marco Aurélio a começar a partida diante da Inter. "Não estou na minha melhor forma física, mas vou jogar", avisa o atacante, sem empolgação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.