Marília aposta na punição do Sport

O Marília está 100% concentrado no jogo contra o Botafogo, nesta terça-feira, em Presidente Prudente, mas promete acompanhar de perto a possível punição ao Sport um de seus adversários no quadrangular final da Série B do Campeonato Brasileiro. ?Se nós fomos punidos, é claro que o Sport também deve ser punido", comentou o presidente José Roberto Mayo, que tinha alertado a impunidade do time pernambucano como motivo principal para que seu time não fosse punido pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) do Rio de Janeiro. O dirigente, porém, fez questão de dizer que não tem ?particularmente nada contra o Sport?. Mas ele também acha que a pena será inevitável. ?Desde que eles tenham o mesmo tratamento que recebemos no STJD.? O caso será acompanhado pelo departamento jurídico do Marília e por seu advogado, João Vicente Gazzola. Cidade em festa - A cidade de Presidente Prudente está em êxtase pelo jogo entre Marília e Botafogo. Mesmo assim a expectativa é de que, no máximo, o Estádio Farazão vai receber perto de 10 mil torcedores, um quarto de sua capacidade oficial. Foram colocados à venda 15 mil ingressos. A diretoria do Marília cedeu dez ônibus para as torcidas organizadas. Outros dez devem se juntar na caravana que atravessará os 187 quilômetros que separam as duas cidades. A presença do Marília despertou a curiosidade de muitos torcedores, que acompanharam os treinos de segunda-feira e muitos também foram até o hotel onde o time está concentrado. O técnico Luiz Carlos Ferreira virou porta-voz do clube. Ele já viveu dias de glória na cidade, ao comandar o extinto Corinthians local em 1996, quando levou o time à Segunda Divisão, numa campanha memorável. O futebol da cidade está em baixa desde a extinção do Corinthians há dois anos. Nesta temporada, Prudente foi representada no Campeonato Paulista da Série B3 pelo Prudentino. Ferreira foi recebido nesta segunda-feira pelo prefeito Agripino Lima. ?Só fui convidá-lo para assistir ao jogo e ele prometeu que irá", disse, o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.