Marília nega acordo entre clubes

O presidente do Marília, José Roberto Duarte Mayo, negou a existência de um acordo com o Botafogo para que a partida entre as duas equipes, na última rodada da segunda fase do Campeonato Brasileiro da Série B, terminasse empatada. A denúncia de um suposto esquema que classificaria os dois times para a fase seguinte da competição foi feita no domingo pelo lateral-esquerdo Galego, do Marília."Em termos de diretoria nunca fomos contactados pelo pessoal do Botafogo. Não conheço o presidente Bebeto de Freitas e nem quero conhecer. Só sei de seu trabalho no vôlei, não no futebol", disse Mayo, numa tentativa de desqualificar qualquer suspeita de esquema entre os clubes.No sábado à noite, Galego afirmou a algumas emissoras de rádio que "alguém" ligado ao clube carioca teria ligado para dirigentes do Marília para fazer um acerto já que o empate era bom para os dois. Ele repetiu a denúncia em um programa de televisão no domingo à noite. As declarações irritaram os dirigentes do clube paulista e o jogador foi proibido de comentar o assunto. "O peixe morre pela boca", explicou Roberto Mayo.TÉCNICO - A diretoria também negou a intenção de demitir o técnico Luiz Carlos Ferreira em conseqüência da campanha ruim do time no quadrangular final: o Marília é último colocado com apenas 2 pontos ganhos e tem remotas chances de classificação. ?O momento é de unir forças positivas para buscar a vitória diante do Botafogo?, disse Mayo. "O Ferreira é um cara de sorte. A responsabilidade agora está totalmente nas mãos dele", finalizou o dirigente. A partida contra o Botafogo está marcada para o domingo de manhã, em Niterói.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.