Marília perde mais uma no STJD

Na véspera do jogo decisivo com o Palmeiras, o Marília sofreu mais uma derrota no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro. O STJD não acolheu o pedido do clube paulista para que punisse o Botafogo por incidentes ocorridos na partida dos cariocas contra Palmeiras (1 a 1), no dia 1º de novembro, quando alguns torcedores atiraram objetos em direção ao goleiro Marcos.O Marília queria que o Botafogo fosse ao menos julgado. Mas, segundo o auditor do caso, o vice-presidente do STJD, Paulo César Salomão, a queixa foi feita fora de prazo e o clube paulista não tinha legitimidade para realizar o processo. "Isso é um absurdo, pois apenas noticiamos o caso, não processamos ninguém", afirmou o advogado do Marília, João Vicente Gazzola. "Na verdade, isso só poderia ser feito se estivéssemos processando o Botafogo, o que na verdade não aconteceu. Apenas noticiamos formalmente para que o Botafogo fosse, pelo menos, processado", completou.Outro fato muito criticado por João Vicente Gazzola foi a afirmação de que a queixa foi intempestiva. De acordo com Paulo César Salomão, o Marília acionou o STJD fora do prazo limite, que, segundo ele, seria de cinco dias. "Novamente foi um equívoco. Pois, segundo o CBDF, o prazo de cinco dias deve ser dado a um clube que queira a impugnação de pontos ou uma partida. E nós, como integrantes da Série B, apenas noticiamos o tribunal sobre a irregularidade na partida", informou o advogado do Marília.Segundo o parágrafo único do Artigo 196 do Código Brasileiro Disciplinar de Futebol (CBDF), "a queixa, que poderá ser assinada por procurador com poderes especiais, deverá ser formulada dentro do prazo de 30 (trinta) dias, a partir do fato que lhe der causa". Ou seja, o Marília, a partir data do jogo Botafogo 1 x 1 Palmeiras (dia 1º de novembro), teria até 1º de dezembro para fazer a queixa.Esperança - Apesar da nova derrota no Tribunal, a comissão técnica e os jogadores do Marília mantêm a confiança em surpreender o Palmeiras neste sábado, única maneira do time se manter vivo na Série B do Brasileiro."Vencer o Palmeiras com o estádio deles lotado é uma proeza, mas acho que esta é a maior motivação nossa", disse o atacante Basílio, ex-jogador do Palmeiras e que se transformou na grande esperança de gols do Marília.O meia Bechara, um dos líderes do time, acha que o Marília pode tirar proveito da "ansiedade e da própria pressão da torcida sobre o Palmeiras". Enquanto isso, o técnico Luiz Carlos Ferreira já avisou aos jogadores de que este é o jogo mais importante do ano para todos: "É matar ou morrer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.