Fábio Motta/Estadão - 22/7/2014
Fábio Motta/Estadão - 22/7/2014

Preso na Suíça, Marin não vai delatar cartolas da CBF

Dirigente permanece em silêncio em interrogatório ao MP suíço

JAMIL CHADE / CORRESPONDENTE EM ZURIQUE, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2015 | 07h00

O ex-presidente da CBF, José Maria Marin, não vai fechar um acordo de delação premiada com a Justiça americana caso seja extraditado e não pretende entregar dados sobre outras pessoas envolvidas em supostos esquemas de corrupção no Brasil. O Estado revelou com exclusividade que o ex-dirigente já considera aceitar a extradição aos EUA e negocia um acordo para poder aguardar o julgamento em prisão domiciliar. 

A decisão sobre o destino do brasileiro seria tomada nesta semana, mas deve ficar para o período entre os dias 22 e 24 deste mês por causa da presença na Suíça da procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch. A defesa dos acusados alertou que uma decisão de extradição aos EUA com a representante americana em Zurique daria uma sinalização de que Washington estaria ditando o ritmo do processo. 

Marin e outros cartolas foram detidos no dia 27 de maio na cidade suíça a pedido da Justiça americana. Segundo o inquérito dos americanos, o brasileiro teria pedido que parte da propina relativa à Copa do Brasil fosse direcionada a ele, numa conversa gravada com o empresário José Hawilla. Ele também aparece quando uma das empresas que comprou os direitos para a Copa América indica a distribuição de propinas para os dirigentes sul-americanos. 

Um dos cenários que estão sendo planejados por sua defesa é a transferência aos EUA. O brasileiro tem um apartamento em Nova York e negocia uma fiança milionária que lhe permitisse ficar em prisão domiciliar enquanto o julgamento ocorre. 

Um dos impasses na negociação, porém, é o valor da fiança. Apesar de ter recebido uma oferta de “milhões”, a Justiça americana ainda não aceitou o montante e insiste que precisa de “mais garantias financeiras”. 

Segundo fontes do Departamento de Justiça, o que foi descartado por enquanto é uma delação premiada. Se inicialmente o FBI insistiu em conseguir de Marin uma colaboração, a proposta foi retirada da mesa. 

Conforme o Estado revelou, a Justiça americana investiga Marco Polo Del Nero, presidente da CBF. A esperança do FBI era de que Marin pudesse contribuir para dar detalhes sobre Del Nero, assim como sobre Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF. Fontes próximas ao caso indicam que vão voltar a fazer a proposta uma vez que Marin esteja nos EUA. Mas que essa não será mais uma condição para um acordo inicial para garantir sua prisão domiciliar. 

INTERROGATÓRIO

Na Suíça, Marin também não colaborou com as investigações conduzidas pelo Ministério Público sobre a corrupção no futebol conduzida por Berna. O brasileiro foi alvo de 50 perguntas em um interrogatório. Mas permaneceu em silêncio. Fontes do MP confirmaram que Marin fez parte da tentativa dos investigadores de entender o papel dos cartolas nos esquemas sob suspeita.

 Uma fonte que esteve recentemente com o brasileiro contou que o cartola está “ansioso” diante da aproximação da data da decisão. Sem falar inglês ou alemão, Marin se comunica pouco na prisão. Ele passou os seus mais de três meses apenas lendo e deixou a barba crescer.

Marin também abandonou a ideia de escrever um diário. Orientado por seus advogados suíços, ele entregou tudo o que havia escrito. Caso seja extraditado, a decisão prevê que ele seja imediatamente retirado da prisão e levado para um avião. Tudo o que ficaria em sua cela seria confiscado pela polícia e o temor é de que o conteúdo do diário pudesse acabar vazando.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.