Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Marin vende patrimônio imobiliário por R$ 37 milhões para pagar multas

Ex-presidente da CBF, preso nos EUA condenado por lavagem de dinheiro, se desfez de apartamento, prédio comercial e casarão nos últimos dois anos

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2019 | 04h30

O ex-presidente da CBF José Maria Marin se desfez nos últimos dois anos de um patrimônio imobiliário adquirido em mais de três décadas para conseguir pagar despesas com advogados, dívidas processuais e multas nos Estados Unidos. Com as vendas, ele arrecadou R$ 37 milhões.

O ex-governador de São Paulo está preso na penitenciária de Allenwood, nos EUA, condenado a quatro anos de prisão pelos crimes de organização criminosa, fraude bancária e lavagem de dinheiro cometidos no período em que presidiu a CBF, de 2012 a 2015. Ele teria recebido U$ 6,5 milhões (R$ 25,3 milhões pelo câmbio atual) de propina para assinar contratos de direitos comerciais da Libertadores, Copa do Brasil e Copa América. Marin nega os crimes.

Quando foi preso, em maio de 2015, na Suíça, ele tinha quatro imóveis registrados em seu nome na cidade de São Paulo. Hoje, possui apenas uma sala comercial na Avenida Paulista, de acordo com registros em cartórios obtidos pelo Estado. Os advogados de Marin confirmam as transações, mas só se pronunciarão após os recursos apresentados pelo brasileiro serem julgados na Corte Americana.

Entre fevereiro de 2017 e dezembro de 2018, o ex-dirigente, de 86 anos, vendeu três imóveis (um apartamento, um casarão e um prédio comercial) e arrecadou R$ 37 milhões com os negócios. Boa parte do dinheiro foi usada para pagar multas relacionadas ao processo aberto contra o dirigente nos EUA.

Em agosto do ano passado, por exemplo, a juíza Pamela Chen, da Corte Federal do Brooklyn, de Nova York, condenou Marin a pagar US$ 1,2 milhão (R$ 4,6 milhões) e confiscou US$ 3,35 milhões (R$ 13 milhões) do brasileiro. Em novembro, ele teve de devolver US$ 137,5 mil (R$ 529 mil) para a Conmebol e a Fifa. Na última segunda-feira, a Fifa baniu Marin de qualquer atividade relacionada ao futebol e aplicou multa de 1 milhão de francos suíços (cerca de R$ 3,8 milhões).

Para pagar as contas, o cartola vem se desfazendo de bens. O último e mais valioso imóvel vendido por ele foi um prédio comercial na Rua Colômbia, no Jardim América, região com um dos metros quadrados mais caros do País. Em dezembro do ano passado, o ex-dirigente vendeu o imóvel por R$ 18,1 milhões. O prédio comercial havia sido comprado por Marin em maio de 1983, poucos dias depois de ele ter deixado o governo do Estado de São Paulo.

Antes, em julho de 2018, o ex-dirigente já havia vendido o apartamento onde morou por mais de duas décadas com a mulher Neuza Augusta Barroso Marin, na Rua Padre João Manoel, no bairro de Cerqueira César. O imóvel, de 609 m² e com cinco vagas de garagem, foi negociado por R$ 7,6 milhões. 

O primeiro imóvel vendido por Marin após sua prisão foi um casarão localizado no Jardim Europa por R$ 11,5 milhões, em fevereiro de 2017, conforme o Estado revelou na ocasião. A mansão estava em terreno de 2.600 m², possuía dois andares, 12 salas, dez banheiros e estacionamento para 30 carros.

O casarão havia sido comprado por Marin em 2014. O ex-presidente da CBF pagou R$ 13,5 milhões. Ele o registrou em nome da JMN Empreendimentos e Participações, empresa criada para administrar os bens da família. A mansão foi um mau negócio para Marin. Ele acumulou mais de R$ 2 milhões de prejuízo com o imóvel. Além de ter vendido por um preço menor do que pagou na compra, somente de IPTU ele gastava quase R$ 200 mil por ano. 

Em 2015, quando já estava preso nos EUA, Marin deixou a sociedade da JMN Empreendimentos e Participações. Permaneceram como proprietários sua mulher e o filho Marcus Vinícius Marin. O dirigente banido tentou, com a manobra, se proteger de uma possível tentativa da Justiça americana de pedir o confisco e o bloqueio de seus bens e contas no Brasil.

Mesmo preso, Marin recebe pensão vitalícia do Estado de São Paulo de R$ 20.257,80 por mês, referentes à pensão parlamentar da extinta carteira previdenciária dos deputados paulistas. Recebe desde 1987.

Dirigente arcou até com vigilância

Marin está preso desde outubro na penitenciária federal de Allenwood, nos Estados Unidos. Antes, ele ficou dez meses na Metropolitan Detention Center, cadeia no Brooklyn, em Nova York. O presídio de Allenwood é considerado de segurança baixa e fica localizado no interior do Estado da Pensilvânia.

O dirigente também ficou mais de um ano em prisão domiciliar em seu apartamento localizado na 5.ª Avenida, no arranha-céu Trump Tower, numa das regiões mais valorizadas de Nova York, onde atualmente mora sua mulher. Durante esse período, ele podia sair até sete vezes por semana de casa, desde que permanecesse dentro de um raio de até duas milhas (o equivalente a 3,2 quilômetros). 

O brasileiro tinha de arcar com os custos da vigilância imposta pela Justiça do país, que incluía tornozeleira eletrônica e câmeras de segurança instaladas na porta de seu apartamento e em todas as saídas do prédio. Por mês, os seus gastos eram superiores a R$ 200 mil.

Advogado desde 1955, Marin foi eleito vereador em 1963, presidente da Câmara Municipal e deputado estadual por dois mandatos, de 1971 a 1979. Apoiado pelo regime militar, também foi governador de São Paulo por dez meses, entre 1982 e 1983.

Como dirigente esportivo, presidiu a Federação Paulista de Futebol entre 1982 e 1988. Em 2012, como vice-presidente mais velho da CBF, assumiu as presidências da entidade e do COL (Comitê Organizador Local) da Copa de 2014 após renúncia de Ricardo Teixeira, que permaneceu 23 anos no poder e acabou contestado por uma série de denúncias por envolvimento em irregularidades. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.