Mário Fernandes desiste de defender seleção brasileira

A seleção brasileira foi surpreendida na manhã desta segunda-feira com a recusa do zagueiro e lateral-direito Mário Fernandes de viajar para Belém, onde a equipe enfrentará a Argentina, nesta quarta-feira, pelo Superclássico das Américas. Os motivos da decisão do jogador ainda não foram esclarecidos.

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2011 | 15h09

Mário Fernandes atuou normalmente pelo Grêmio na vitória por 2 a 1 sobre o Avaí, no último domingo, pelo Campeonato Brasileiro, marcando inclusive o primeiro gol da partida em Florianópolis. Nesta segunda, ele acabou não embarcando no horário previsto para se juntar à seleção, às 5h30, e, ao receber uma outra passagem da CBF, com o voo remarcado, informou que não se apresentaria.

"Já tinha outra passagem marcada para ele às 15h10, mas ele não quer mesmo. Fiquei surpreso. Ontem (domingo) chegamos de Florianópolis e estava tudo tranquilo, não havia nos dito nada, absolutamente. Internamente vamos conversar com o presidente, com o atleta e com o empresário dele", declarou o diretor executivo do Grêmio, Paulo Pelaipe, à Rádio Gaúcha.

A primeira pessoa a confirmar a recusa de Mário Fernandes foi seu empresário, Jorge Machado. Ele explicou que o jogador lhe disse que não estaria se sentindo confortável e queria se concentrar no Grêmio. De acordo com Pelaipe, no entanto, o lateral não havia dado sinais de que tomaria esta decisão.

"Nós vamos nos reunir nesta tarde com o atleta, com o jogador. Se ele está focado em jogar no Grêmio, é uma decisão profissional do atleta e nós respeitamos. Ele não passou sensação de não ter ficado à vontade com a primeira convocação. Com toda franqueza, fomos pegos de surpresa, então não vou fazer nenhum tipo de manifestação sem conversar com o atleta e a direção. Depois sim, vamos nos manifestar", disse o dirigente.

Apesar da pouca idade, apenas 20 anos, esta não é a primeira vez que o jogador se envolve em uma polêmica do gênero. Em 2009, quando chegou ao clube gaúcho, ele sumiu por duas semanas, sem dar notícias. Após muita procura - a polícia foi envolvida no caso -, foi localizado na casa de um tio, em Jundiaí (SP).

No entanto, Pelaipe garantiu que o atleta é um ótimo profissional. "É um atleta que sempre tem sido profissional, cumpridor de suas obrigações. Não dá problema nenhum e por isso não vou fazer comentários precipitados antes de ouvi-lo. Não temos nenhum ''senão'' em sua conduta conosco. Com calma, vamos ver, vamos cuidar. Com muita tranquilidade", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.