Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Mário Sérgio sai na frente no Corinthians

Enquanto o Corinthians joga sua sobrevivência na Copa do Brasil, amanhã, às 21h45, no Ceará, contra o Fortaleza, a diretoria já busca um substituto para Oswaldo de Oliveira. Mário Sérgio, o mais barato, saiu na frente. Tite e Leão vêm em seguida. Vanderlei Luxemburgo é a última opção. Os nomes foram discutidos na noite de segunda-feira. A delegação foi humilhada nem bem pisou em Fortaleza com a faixa: "Este time é uma vergonha nacional". "Essa história de derrota, crise, pressão, ameaça de troca de treinador é rotina no futebol. Não estou preocupado com isso. Já foi assim na minha primeira passagem pelo Corinthians. Na minha segunda. No Vasco, no Fluminense, no São Paulo. No Flamengo. Isso (a possibilidade de ser demitido) não me assusta", resumia, impassível, Oswaldo de Oliveira. O treinador já percebeu que se não houver reação espetacular do Corinthians, ele será mesmo demitido. O seu único defensor é o vice-presidente Roque Citadini. O dirigente, que havia prometido apoio para Oswaldo ?por anos?, tenta de maneira desesperada diminuir a pressão pela sumária dispensa do técnico. "Se fôssemos trocar de treinador a cada fase ruim, nenhum ficaria um mês. Não vamos tomar decisão por causa de pressão", jura Citadini. Só que o dirigente faz jogo de cena. O presidente Alberto Dualib quer perdoar Mário Sérgio como perdoou Rincón. Os dois abandonaram o Parque São Jorge. Com uma diferença: o treinador processou o clube e obteve na Justiça do Trabalho uma indenização de R$ 200 mil, o que irritou a diretoria. Mas a raiva passou e o caminho para Mário Sérgio está aberto. Só que ele enfrenta a concorrência da ala mais radical, comandada pelos conselheiros de Nesi Curi, que desejam alguém com muito mais pulso e currículo. O nome que exigem no Parque São Jorge é o de Leão. Acreditam que mesmo custando mais caro, o investimento valeria a pena. Tite, sem clube, foi um nome lembrado. Mas a maioria dos conselheiros acredita que seu perfil se assemelha demais ao de Oswaldo - sofisticado, mas muito amigo dos atletas. Luxemburgo também foi citado. Só que a sua última passagem no Parque São Jorge causou desgaste demais com os dirigentes, principamente Roque Citadini. A demissão de Oswaldo caso o time seja derrotado amanhã em Fortaleza é certa. O técnico recebe R$ 60 mil mensais e o seu irmão Valdemar, R$ 25 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.