Marketing alterou imagem do Corinthians em um ano

De rebaixado ao final de 2007 e ocupando até espaço nas páginas policiais, o Corinthians mudou radicalmente sua imagem em menos de um ano. A contratação de Ronaldo apenas coroou um trabalho de renovação que vem sendo desenvolvido a partir da queda para a Série B do Campeonato Brasileiro. Antes da chegada de Ronaldo, considerada uma grande jogada de marketing, o departamento já havia surpreendido com outras ações bem-sucedidas, como a camiseta roxa, a campanha "Eu nunca vou te abandonar" e a camisa do acesso, com o rosto dos torcedores.O responsável por tudo isso é o diretor de marketing do Corinthians, Luís Paulo Rosenberg, convidado para o cargo assim que Andrés Sanchez assumiu a presidência do clube, no ano passado. O objetivo da aposta era colocar a marca Corinthians em evidência. Em um ano, o clube já lançou seis diferentes modelos de camisa, um filme sobre a volta à Série A, um livro de fotos sobre o mesmo assunto, TV via internet e o programa Fiel Torcedor. Resultado: lucros de cerca de R$ 4 milhões. E pensar que a maior de todas as jogadas surgiu de uma "conversa de louco", neste caso, sem nenhuma alusão ao cântico das arquibancadas. De acordo com Caio Campos, gerente de marketing do clube, a primeira vez que o nome de Ronaldo foi comentado entre os dirigentes corintianos foi em um bate-papo informal no escritório de Luís Paulo Rosenberg. "O Luís Paulo disse que era admirador do Ronaldo e que seria um sonho, um dia, tê-lo no Corinthians", contou Caio Campos. Seis dias depois, o gerente de marketing esteve na sala do presidente Andrés Sanchez e ouviu dele a seguinte frase: "Precisamos de um grande jogador para o ano que vem e eu estava aqui pensando se não poderia ser o Ronaldo". Ao ouvir isso, Caio Campos reagiu com ironia: "Você é tão louco quanto o Luís Paulo."Começava ali, neste "papo de louco", o projeto para a maior contratação da história do Corinthians. O custo de R$ 6 milhões por um ano de salários deve ser recuperado exatamente com as muitas ações de marketing que o clube prepara para esta nova fase, quando as páginas policiais parecem ter ficado definitivamente para trás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.