Sergio Neves/AE - 06/03/2009
Sergio Neves/AE - 06/03/2009

Marketing do Corinthians bate de frente com o futebol

Diretoria de futebol e marketing não se entendem com planejamento para a temporada do centenário

Marcel Rizzo, Jornal da Tarde

15 de janeiro de 2010 | 10h35

Não há mais como esconder a relação conturbada entre os departamentos de futebol e de marketing no ano do centenário do Corinthians. De um lado, Luís Paulo Rosenberg louco para faturar alto com amistosos e venda de camisas, principalmente as de Marcelinho, o embaixador dos 100 anos do clube.

Veja também:

linkCorinthians fecha patrocínio para ano do centenário

linkCorinthians anuncia homenagem a campeões mundiais

Do outro, Mário Gobbi e Mano Menezes preocupados que amistosos "sem propósito", como disse o técnico em entrevista ao JT, atrapalhem o time na importante participação na Libertadores, conquista que é obsessão de dez entre dez corintianos.

"Não haverá mais amistosos para o Marcelinho jogar. Despedida é uma só. Não tem duas despedidas", garantiu Mário Gobbi. Para o diretor de futebol, o jogo contra o Huracán-ARG, na quarta, 3 a 0 para o Corinthians no Pacaembu, foi o último organizado pelo marketing, pelo menos até o final da Libertadores, em agosto.

"Eu ficaria muito insatisfeito se tivesse sido o único jogo do Marcelinho e o único jogo comemorativo do centenário", rebate Rosenberg.

Há um viés político nessa queda de braço. Ambos negam com fervor, mas tanto Gobbi quando Rosenberg são pré-candidatos a suceder Andres Sanches daqui a dois anos. O atual presidente, segundo o novo estatuto, não pode se reeleger.

BIRRA ANTIGA

O relacionamento futebol e marketing tem atritos desde o ano passado. Quando Ronaldo foi contratado, acabou levantada a hipótese de que Mano seria obrigado a escalá-lo, mesmo se o R9 não correspondesse.

A polêmica cessou quando o craque demonstrou em campo que ainda era capaz de jogar em alto nível. Agradou tanto ao técnico, com gols decisivos, quantos ao marqueteiros, com camisas vendidas em abundância e contratos milionários de patrocínios.

Este ano, Rosenberg inventou dois novos modos de ganhar dinheiro: primeiro a contratação de Marcelinho como "Senhor do Centenário". O dirigente vislumbrou a chance de vender inúmeros produtos associados ao camisa 7, que tem uma legião de jovens fãs consumidores.

O ideal seria que ele fosse contratado para jogar a Libertadores. Mano vetou. O jeito foi encaixar Marcelinho no amistoso contra o Huracán, o que irritou o técnico, que queria aproveitar o duelo para treinar o time que projeta.

Para evitar qualquer chance de o jogador pleitear vaga no elenco, Mano escalou um time reserva. "Conversei com o Marcelinho, só eu e ele, antes do jogo e fui claro com ele e ele comigo. E ele me disse que é ex-jogador", disse Mano.

A segunda fonte de renda sonhada pelo marketing são amistosos internacionais. Fabiano Farah, empresário de Ronaldo e de Roberto Carlos, começou a tratar de um jogo contra o poderoso Real Madrid, na Espanha, para agosto. Justamente no mês em que a Libertadores, por causa da Copa, terá suas finais. Daí o motivo de Mano citar amistosos sem propósitos que podem colocar em risco uma Libertadores.

"Esse jogo seria depois da Libertadores", alega Rosenberg. O estrago entre os departamentos, porém, já estava feito.

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthiansfutebolmarketing

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.