Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Marquinhos revela ter enfrentado a Argentina enfraquecido por virose

Zagueiro se recupera depois de passar o dia da semifinal com vômitos e diarreia

Ciro Campos, enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

05 de julho de 2019 | 16h40

Uma virose e um dia longe do ideal marcaram a preparação do zagueiro Marquinhos para enfrentar a Argentina, na última terça-feira, pela semifinal da Copa América. O defensor da seleção brasileira e do Paris Saint-Germain, da França, revelou nesta sexta-feira, em Teresópolis, que estava doente no dia da partida da Mineirão e precisou até mesmo ser atendido na enfermaria do estádio após o jogo para tomar soro.

O jogador foi titular na partida e precisou sair no segundo tempo, para a entrada de Miranda, por ter se sentido muito mal. "Passei o dia no hotel com bastante diarreia e vômitos. Ainda consegui jogar um pouco, mas depois começou a apertar a situação. Com o esforço acabou piorando e tive de sair do jogo. Eu tive febre e tive de ir para a enfermaria. Até tomei soro", contou.

Marquinhos disse estar bem melhor agora e preparado para disputar a final da Copa América, no próximo domingo. O adversário será o Peru, no Maracanã. O Brasil está na Granja Comary, em Teresópolis, desde a noite de quarta-feira e vai realizar treinos fechados para se preparar para o compromisso. A equipe do técnico Tite viaja ao Rio de Janeiro apenas na tarde de sábado.

O zagueiro relembrou que como estava enfraquecido durante a semifinal contra a Argentina, foi ainda mais difícil marcar Messi. "Não foi fácil mesmo. O Messi estava em uma noite inspirada, assim como a seleção argentina. Mas nossa seleção conseguiu anular bem e ainda tivemos sorte em alguns lances. O Alisson fez boas defesas e teve bolas na trave. Isso faz um time ser ainda mais forte", comentou.

Ansioso para o jogo com o Peru, no domingo, Marquinhos considera ser improvável o Brasil encontrar a mesma facilidade do encontro anterior com a equipe, quando venceu por 5 a 0, pela fase de grupos. "No futebol as coisas são rápidas. A gente enfrentou o Peru em uma situação e agora é completamente diferente. Final é um jogo particular. Aquele jogo já passou, já foi, e até mesmo no começo foi uma partida complicada", relembrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.