Alan Walter/Reuters
Alan Walter/Reuters

Marta sai lesionada e seleção brasileira perde amistoso para a Inglaterra

Meia-atacante já havia perdido partidas no futebol dos EUA e atua pouco em derrota por 1 a 0 n Reino Unido

Estadão Conteúdo

06 Outubro 2018 | 10h54

A seleção brasileira feminina de futebol não teve motivos para comemorar neste sábado. Não bastasse perder o amistoso diante da Inglaterra por 1 a 0, em Nottingham, na casa das adversárias, o time do técnico Vadão viu a craque Marta deixar o gramado lesionada ainda no primeiro tempo.

O Brasil teve alguns bons momentos, mas, no geral, foi dominado pela Inglaterra, que abriu o placar logo no início. Com cerca de 20 minutos, Marta sentiu uma lesão na coxa esquerda e pediu para ser substituída. Após a partida, porém, a própria jogadora minimizou o problema.

"Estou bem, acima de tudo feliz por estar na seleção novamente. Infelizmente, não consegui jogar nem o primeiro tempo completo, mas já era uma situação de risco que eu quis correr. Já vinha de lesão, com poucos treinos, mas quis jogar", declarou em entrevista ao SporTV.

Enquanto ainda estava em campo, Marta viu a Inglaterra abrir o placar logo com um minuto. Parris recebeu pela direita, driblou Camila com facilidade e cruzou na cabeça de Kirby, que desviou para a rede.

Poucos minutos depois, Marta sentiu a lesão que já havia a tirado de alguns jogos do Orlando Pride na temporada do futebol norte-americano. Ainda no primeiro tempo, a seleção também perdeu a zagueira Bruna Benites, com um problema no joelho.

Na etapa final, o Brasil chegou a assustar e teve a grande chance nos pés de Raquel, após erro na saída de bola adversária, mas ela parou na goleira adversária. Daí em diante, a Inglaterra foi melhor, criou novas oportunidades e só não marcou porque Bárbara impediu.

Apesar do domínio inglês, Marta elogiou o desempenho brasileiro. "A gente teve uma ótima atuação. Elas começaram com todo gás, a gente deu um vacilo e tomou um gol. Mas tivemos chances de empatar o jogo. Algumas atletas não puderam vir, então foi importante dar oportunidade a algumas meninas, que entraram no jogo e fizeram um belíssimo trabalho."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.