Martín Silva acredita que lanterna Sampaio Corrêa irá para o ataque contra Vasco

Goleiro quer que time tenha atenção no jogo do próximo sábado

Estadão Conteúdo

16 Agosto 2016 | 19h06

O goleiro Martín Silva acredita que o Sampaio Corrêa não atuará na retranca contra o Vasco, neste sábado, às 16h30, no estádio Kleber Andrade, em Cariacica, no Espírito Santo, pela 20.ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. A lógica do uruguaio é a seguinte: o adversário está na lanterna e precisa da vitória para deixar as últimas colocações. Por isso, por mais que estejam em lados opostos na tabela de classificação, separados por 27 pontos, acredita que o time maranhense terá que ir ao ataque contra o líder.

"Agora neste início de returno e, ainda mais para o final do campeonato, todos estarão precisando dos três pontos para brigar para subir ou para não cair. Então, acho que não veremos mais tantos jogos com retranca e times fechados", comentou em entrevista ao site oficial do Vasco.

O fato de na teoria não enfrentar tantos times na retranca anima o goleiro. "A necessidade de vencer de todas as equipes obrigarão elas a fazer uma partida mais aberta e isto para o Vasco é melhor. Com a qualidade dos jogadores que temos, conseguiremos aproveitar muito os espaços. Até por isto temos um desempenho fora de casa muito bom porque os times saem para buscar um pouco mais com o apoio da torcida e nós temos aproveitado bem estas circunstâncias", emendou.

Martín Silva também comentou a relação que tem com os goleiros reservas Jordi e Gabriel Félix, dois jovens atletas revelados pelo Vasco. O uruguaio diz que, por ser mais experiente, se vê na obrigação de apontar os caminhos para os mais novos.

"Não adianta cobrar e não mostrar o caminho que deve seguir para que possam chegar aonde estão os mais velhos agora. Com qualidade de trabalho você alcança a titularidade no Vasco, que sabemos que não é fácil. Mas são eles mesmo que precisam aproveitar cada oportunidade que têm para chamar a atenção do técnico. Aqui não se joga com o nome, mas sim com o trabalho e rendimento dentro de campo", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.